Estudos preliminares da atividade antimicrobiana de própolis

Eduardo Vicente, Elisa Yoko Hirooka

Resumo


A atividade antimicrobiana de própolis foi estudada em Streptococcic pyogenes, microbiota de cavidade oral e fungos produtores de micotoxinas. Os meios CAM e BDA foram utilizados para o cultivo dc fungos e o ágar Rogosa. APT, BHI e sangue para bactérias orais, empregando-se a combinação das técnicas de semeadura em profundidade e placa gradiente de Szibalsky. Os fungos toxigênicos não foram inibidos pela própolis. A própolis apresentou efeito bacteriostático em microrganismos da cavidade oral semeados em profundidade na placa gradiente, observando-se crescimento inclusive com 1,0% de própolis após 72 horas, Em S. pyogenes, apenas a produção de hemolisina foi inibida em agar sangue, porem observou-se efeito bactericida em caldo BHI + própolis. A atividade de própolis em S. pyogenes dependeu da aeração e tipo dc nutrientes e provavelmente além de ação antimicrobiana, as propriedades farmaco-dinâmicas determinam o efeito final do sistema biológico.



Palavras-chave


Própolis; Streptococcus pyogenes; Bactericida; Bacteriostático.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.1987v8n2p76

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367