Força muscular do assoalho pélvico entre mulheres continentes jovens e climatéricas

Eliane Cristina Hilberath Moreira, Paula Bueno de Arruda

Resumo


O climatério representa a fase em que ocorrem modificações no trato uroginecológico, como a diminuição da força muscular do assoalho pélvico e turgidez uretral. É sugerido que músculos sadios são volumosos e isso os capacita a suportar as paredes da vagina tão bem como prover uma ação esfincteriana, favorecendo o fechamento e a continência uretral. É plausível que o suprimento de sangue associado a músculos fortes promoverá a saúde do epitélio na área, estimulando a lubrificação vaginal adequada e o retardo das mudanças atróficas da idade. O objetivo deste estudo foi verificar a força muscular do assoalho pélvico entre mulheres saudáveis jovens e climatéricas, buscando identificar as alterações existentes nesta musculatura. O estudo foi composto por 49 mulheres dividas em dois grupos: Grupo 1 composto por mulheres (N=24) com média de idade de 29,33 anos e o grupo 2 composto por mulheres (N=25) com média de idade de 51,8 anos, submetidas a avaliação da força muscular do assoalho pélvico por meio de palpação bidigital e perineometria. O presente estudo não identificou diferenças significativas da força de pressão muscular do assoalho pélvico pela perineometria entre os grupos estudados. Na avaliação pela palpação bidigital, notou-se uma capacidade maior de contração voluntária e sustentação desta contração nas mulheres com faixa etária entre 25 a 35 anos.



Palavras-chave


Força muscular; Assoalho pélvico; Perineometria.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2010v31n1p53

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367