A endogeneidade da crise fiscal do estado

Robério Ferreira dos Santos, Pichai Chumvichitra

Resumo


Um dos fatores principais influenciando o problema de iliquidez na atual economia brasileira é a intervenção estatal na atividade econômica. Inicialmente a intervenção do Estado pode ser vista sob dois prismas: como regulador da economia com suas atividades de política econômica, e como empresário, quer participando diretamente como produtor e agente financeiro, quer participando indiretamente como implementador de programas setoriais da atividade econômica. Na aplicação de sua estratégia de crescimento, o setor público, agindo por meio de uma grande variedade de programas de crédito subsidiado, incentivos fiscais, preferências tarifárias, etc, e com seus próprios investimentos diretos, substituiu progressiva-mente o mercado como principal distribuidor do investimento na economia. A conseqüente proliferação e crescimento da instituição do setor público e dos canais de financiamento de suas atividades enfraqueceram o controle orçamentário geral das autoridades econômicas centrais. Entrementes, o crescente déficit consolidado no setor público passava a onerar cada vez mais os recursos para a economia em geral


 


Palavras-chave


Crise fiscal; Setor nominal e setor real; Correção monetária; Indexação; Hiato financeiro; Empresas estatais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.1985v6n2p80

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367