Morcegos da região de Manaus e suas relações com fungos patogênicos

Nélio Roberto dos Reis

Resumo


Cento e setenta e sete morcegos de 6 famílias, perfazendo um total de 13 espécies foram capturados em 8 lugares diferentes dos arredores de Manaus; 151 foram necropsiados. Wangiella dermatitidis, agente da cromoblastomicose, foi isolado de 5 morcegos pertencentes a 4 espécies diferentes: 2 Phyllostomus discolor, 1 Stumira lilium, 1 Molossus molossus e 1 Myotis albencens. Este fungo nunca foi antes isolado de morcegos ou de qualquer outro mamífero, exceto do homem. Em micro-cultivo, W. dermatitidis apresentou espomlação dos tipos cladospórios, rinocladiela, fialofora e fase pulularia; nos meios de ágar de Sabouraud, de Czapek-Dox e batata, mostrou dimorfismo a 25 e 37°G. Não liquefez gelatina, não hidrolisou amido e caseína. Das 4 espécies de morcegos portadores de W. dermatitidis, somente o P. discolor era conhecido como suceptível a fungo patogênico. Três exemplares eram frugívoros e 2 insetívoros; 4 dos 5 morcegos foram coletados em capoeiras, e todos eram coloniais. Os morcegos frugívoros podem ser migratórios, consequentemente dispersores do fungo. O desmatamento pode aumentar a prevalência da cromoblastomicose. O lugar de repouso e o comportamento social parecem ser mais importantes para a aquisição de fungos patogênicos do que o hábito alimentar.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.1982v3n12p255

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367