Aspectos do mito em “Invenção de Orfeu”

Oscar Lermenn

Resumo


 

Fazemos neste artigo uma aplicação do conceito de mito segundo Lucien Levy Brúhl - La Mythologie Primitive: le monde mythique des australiens et des papous, Paris, Presses Universitaires de France, 1970. Exemplificamos a aplicabilidade do conceito com os elementos mais recorrentes e estruturais da epopéia "Invenção de Orfeu" de Jorge de Lima. Em seguida, procuramos evidenciar o conceito de mito a que nos referimos nos elementos que encerram negação recíproca, como: "existimos poetas sem nascermos", "que mão sem braço o escreveu", "o feito é rir com a boca ausente". Acrescentamos ainda os elementos que oferecem falácia sensoirial, isto è, discrepâncias entre os níveis sensorial e ideológico; entre o mundo da criatividade poética e o mundo da realidade. A partir desta fundamentação, estamos em condições de, nos próximos artigos, apresentar a conclusão a que chegamos - a amplificação do campo semântico dos elementos estruturais em articulações crescentes e sempre renovadas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.1979v1n3p03

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367