Vírus da estomatite vesicular (sorotipo indiana 2) como modelo experimental para o estudo de encefalite aguda – aspectos morfológicos

Gisele Fabrino Machado, Leila Maria Cardao Chimelli, Florêncio Figueiredo Cavalcanti Neto

Resumo


O vírus da estomatite vesicular (VEV) é um Vesiculovírus da família Rhabdoviridae que infecta mamíferos e causa lesões vesiculares semelhantes às observadas na febre aftosa. A encefalite experimental pode ser induzida em roedores e os sintomas são semelhantes aos observados na raiva; entretanto, as lesões observadas no encéfalo dos animais são diferentes. Corpúsculos de inclusão não são observados, há necrose especialmente da região do bulbo olfatório e em alguns casos, ventriculite. Observamos que o padrão temporal de disseminação do VEV e os aspectos morfológicos das lesões são similares aos descritos na literatura. O vírus parece se disseminar através dos ventrículos cerebrais, multiplicando-se em células do epêndima e em neurônios, além de utilizar o transporte retrógado e anterógrado. Constatamos que devido à facilidade de manipulação do vírus, este modelo experimental tem sido utilizado em inúmeros trabalhos de pesquisa em diversas áreas. Se por um lado, os relatos sobre a patogenia da infecção são numerosos, por outro lado, ainda existem muitas lacunas que envolvem, por exemplo, aspectos sobre a transmissão do vírus, a recuperação dos animais infectados e a participação de células gliais durante a fase aguda e a fase de recuperação dos animais.

 

 


Palavras-chave


Vírus da Estomatite Vesicular; Encefalite Aguda; Modelo Experimental; Camundongo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2003v24n1p11

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367