Avaliação do índice de conicidade como preditor de risco cardiometabólico e suas associações em pacientes adultos submetidos a atendimento ambulatorial no Sul do Brasil

Bruna Martins Uarthe, Alessandra Doumid Borges Pretto, Khadija Bezerra Massaut, Yanne Pereira Colvara, Micaela Alvez Deniz, Fabiana Barbosa Pacheco, Ângela Nunes Moreira

Resumo


Objetivo: Avaliar índice de conicidade de pacientes adultos atendidos em um Ambulatório de Nutrição, associá-lo com presença de patologias e compará-lo a indicadores antropométricos quanto à sua eficácia como preditor de risco cardiometabólico. Metodologia: Estudo observacional com dados secundários de prontuários. Dados socioeconômicos, antropométricos (peso, índice de massa corporal, circunferência da cintura, do pescoço e índice de conicidade), número de consultas e hábitos de vida, foram obtidos e comparados entre a primeira e última consulta. As análises foram realizadas no pacote estatístico Stata® 11.1, com nível de significância de 5%. Resultados: Amostra constituída por 164 adultos, sendo 114 (70%) mulheres. A maioria apresentava hipertensão (45%), sedentarismo (48%), peso acima do ideal (90%) e valores de CC(82%), CP (82%) e IC (88%) acima do recomendado. A maioria apresentou perda de peso (77%), sendo que 29% perdeu mais de 5% do peso inicial, além de melhora significativa nos hábitos alimentares, principalmente pelas mulheres. O índice de conicidade associou-se significativamente com os indicadores antropométricos analisados; foi mais sensível nas mulheres quanto à classificação de risco de complicações metabólicas e cardiovasculares, e apresentou valores significativamente maiores nos hipertensos e diabéticos. Conclusão: É importante o acompanhamento nutricional para melhoria dos hábitos de vida dos pacientes, assim como a utilização do IC, que associou-se com hipertensão e diabetes,sendo mais sensível nas mulheres em relação ao risco de complicações cardiometabólicas do que a CC e CP, demonstrando ser um bom indicador antropométrico,capaz de possibilitar a detecção precoce da obesidade e da distribuição de gordura.

Palavras-chave


Indicadores antropométricos; Obesidade abdominal; Fatores de risco cardiovascular; Consumo alimentar.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica: Mapa da obesidade no Brasil e no mundo [Internet]. 2018 [citado 2018 Jan 22]: Disponível em: http://www.abeso.org.br/atitude-saudavel/mapa-obesidade

Fontela PC, Winkelmann ER, Viecili PRN. Estudo do índice de conicidade, índice de massa corporal e circunferência abdominal como preditores de doença arterial coronariana. Rev Por Cardiol. 2017;36(5):357-64.

Pinho CPS, Diniz AS, Arruda IKG, Batista Filho M, Coelho PC, Sequeira LAS, et al. Prevalência e fatores associados à obesidade abdominal em indivíduos na faixa etária de 25 a 59 anos do Estado de Pernambuco, Brasil. Cad Saude Publica. 2013;29(2):313-24.

Barroso TA, Marins LB, Alves R, Gonçalves ACS, Barroso SG, Rocha GS, et al. Associação Entre a obesidade central e a incidência de doenças e fatores de risco cardiovascular. Int J Cardiovasc Sci. 2017;30(5):416-24.

Carlucci EMS, Gouvêa JAG, Oliveira AP, Silva JD, Cassiano ACM, Bennemann RM, et al. Obesidade e sedentarismo: fatores de risco para doença cardiovascular. Rev Bras Ciênc Saúde. 2013;24(4):375-84.

Haun DR, Pitanga FJG, Lessa I. Razão cintura/estatura comparado a outros indicadores antropométricos de obesidade como preditor de risco coronariano elevado. Rev Assoc Med Bras. 2009;55(6):705-11.

Pitanga FJG, Lessa I. Associação entre indicadores antropométricos de obesidade e risco coronariano em adultos na cidade de Salvador, Bahia, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2007;10(2): 239-48.

Cuppari L, Shor N. Guias de nutrição clínica do adulto. 3.ed. Barueri, SP: Manole; 2014.

Almeida RT, Almeida MMG, Araújo TM. Obesidade abdominal e risco cardiovascular: desempenho de indicadores antropométricos em mulheres. Int J Cardiovasc Sci. 2009;92(5):375-80.

Pitanga FJG. Antropometria na avaliação da obesidade abdominal e risco coronariano. Rev. Bras. Cineantropom Desempenho Hum. 2011;3(3):238-41.

Carneiro IBP, Sampaio HAC, Carioca AAF, Pinto FJM, Damasceno NRT. Antigos e novos indicadores antropométricos como preditores de resistência à insulina em adolescentes. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2014 Nov;58(8):838-43.

Seteinmetz SB, Buss V, Conte FA, Franz LBB, Steffenon I, Manenti M. Índice de Conicidade como preditor de risco cardiovascular elevado. Anais do Salão do conhecimento; 2017; Ijuí-SC: Unijuí. [internet]. 2018 [citado 2018 Jan 5]. Disponível em: https://www.publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/download/2017/1681

Mendes WAA, Carmin SEM, Pinho PM, Silva ACM, Machado LMM, Araújo MS. Relação de variáveis antropométricas com os perfis pressórico e lipídico em adultos portadores de doenças crônicas não transmissíveis. Rev Bras Cardiol. 2012;25(3):200-09.

Farzad S, Fatemeh A, Maryam S, Nojomi M. Association of waist circumference, body mass index and conicity index with cardiovascular risk factors in postmenopausal women. Cardiovasc J Afr. 2012;23(8):442-45.

Andrade MD, Freitas MC, Sakumoto AM, Pappiani C, Andrade SC, Vieira LV, et al. Association of the conicity index with diabetes and hypertension in Brazilian women. Arch Endocrinol Metab. 2016;60(5)436-42.

Santos CM, Araújo AR, Cabral PC. Evolução antropométrica de pacientes com sobrepeso atendidos em ambulatórios de nutrição. Revista da Associação Brasileira de Nutrição. 2013;1:13-20.

Gomes ACR, Salles DRM. Perfil nutricional dos pacientes atendidos no ambulatório de nutrição da faculdade de ciências da saúde (FACISA), de Patos de Minas/MG. Rev Núcleo Interdisciplinar Pesq Extensão UNIPAM. 2010;1(7):63-71.

Valdez R, Seidell JC, Ahn YI. A new index of abdominal adiposity as an indicator of risk for cardiovascular disease. Int J Obes. 1993;17(2):77-88.

Pitanga FJG, Lessa I. Sensibilidade e especificidade do índice de conicidade como discriminador do risco coronariano de adultos em Salvador, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2014;7(3)259-69.

Ministério da Saúde (BR). Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde [Internet]. 2018 [citado 2018 Jul 16]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados _antropometricos.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar para a população brasileira. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.

Frizon V, Boscaini C. Circunferência do pescoço, fatores de risco para doenças cardiovasculares e consumo alimentar. Rev Bras Cardiol. 2013;26(6):426-34.

Petersen LC, Chinazzo H, Saldanha C, Basso M, Garcia P, Bartholomay E, et al. Fatores de risco cardiovasculares e comorbidades em ambulatórios de cardiologia da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Rev AMRIGS. 2011;55(3):217-23.

Lobato TAA, Torres RS, Guterres AS, Mendes WAS, Maciel AP, Santos FCC, et al. Indicadores antropométricos de obesidade em pacientes com infarto agudo do miocárdio. Rev Bras Cardiol. 2014;27(3):203-12.

Dantas EM, Pinto CJ, Freitas RPA, Medeiros ACQ. Concordância na avaliação de risco cardiovascular a partir de parâmetros antropométricos. Rev Einstein. 2015;13(3):376-80.

Saccon TD, Pretto ADB, César JG, Demoliner F, Bampi SR, Conter LF, et al. Perfil e evolução do estado nutricional de pacientes que frequentam um ambulatório de nutrição do Sul do Brasil. Nutri Clín Diet Hosp. 2015;35(3):74-82.

Oliveira AF, Lorenzatto S, Fatel ECS. Perfil de pacientes que procuram atendimento nutricional. Revista Salus-Guarapuava-PR. 2008;2(1):13-19.

Ministério da Saúde (BR). VIGITEL BRASIL: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). Arquivos Brasileiros de Cardiologia: I Diretriz Brasileira de Prevenção Cardiovascular [Internet]. 2013 [citado 2018 Jul 17]. Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2013/Diretriz_Prevencao_Cardiovascular.pdf

Almeida DKS, Chagas DC. Fatores associados à adesão ao aconselhamento nutricional de indivíduos com excesso de peso atendidos em unidades básicas de saúde no município de São Luis-MA. Nutri Clín Diet Hosp. 2016;36(2).

Ministério da Saúde (BR). Recomendações dos níveis de atividade física para todas faixas etárias. Brasília (DF): Ministério da Saúde [Internet]. 2018 [citado 2018 Jul 10]. Disponível em: http://www.saude.br/index.php/articles/84-atividade-fisica/229-recomendacoes-da-oms-dos-niveis-de-atividade-fisica-para-todas-as-faixas-etarias

Melendez GV, Mendes MSF, Matozinho FP, Claro R, Gomes CF, Malta DC. Prevalência de saúde cardiovascular ideal na população brasileira – Pesquisa Nacional de Saúde (2013). Rev Bras Epidemiol. 2013;18(2):97-108.

Baratieri T, Ottoni JDS, Botti ML, Maicel RCS, Soares LG. Risco cardiovascular em usuários de programa de atenção a hipertensos e diabéticos em um município do Paraná-Brasil. Cienc Innov Salud, 2014;2(1):18-26.

Busnello FM, Bodanese LC, Pellanda LC, Santos ZEA. Intervenção nutricional e o impacto na adesão ao tratamento em pacientes com síndrome metabólica. Sociedade Brasileira de Cardiologia: [internet]. 2018 [citado 2018 Jul 5]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abc/2011nahead/aop07011.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n2p157

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367