Prevalência de enteroparasitoses em crianças de uma cidade do norte do Paraná e fatores associados

Joelle Toni-Ann Venice Freckleton, Francisco José Abreu Oliveira, Idessania Nazareth Costa, Wander Rogério Pavanelli, Ivete Conchon-Costa, Francine Nesello Melanda

Resumo


O objetivo deste estudo foi investigar a prevalência de enteroparasitoses e os fatores envolvidos na transmissão de enteroparasitoses em crianças de 0 a 15 anos de idade do município de São Jerônimo da Serra, Paraná. O trabalho foi desenvolvido no período de julho de 2014 a junho 2017. Analisou-se 362 amostras pelos métodos de Hoffman, Pons e Janer e Faust e cols. As associações entre variáveis socioeconômicas, referentes aos hábitos das crianças e ao ambiente em que vivem e enteroparasitoses foram verificadas por meio de regressão logística, considerado nível de significância de 5%. Encontrou-se alta prevalência de parasitismo (36,5%), uma alta frequência de poliparasitismo (43,9%) e uma freqüência maior de protozoários (34,5%) em relação aos helmintos (3,9%). Os enteroparasitas patogênicos encontrados foram Giardia lamblia (8,0%), Entamoeba histolytica/dispar (3,6%), Hymenolepis nana (2,5%), Enterobius vermicularis (2,2%), Ascaris lumbricoides (1,1%), ancilostomídeos (0,8%) e Trichuris trichiura (0,3%). Endolimax nana foi o mais frequentemente encontrado (19,3%). Mesmo sendo comensal, sua detecção é preocupante uma vez que o mecanismo de transmissão (fecal-oral) é igual dos microrganismos patogênicos. Observou-se associação entre a presença de enteroparasitoses e faixa etária, renda familiar, escolaridade dos responsáveis, morar em zona rural, consumo de água não tratada, destino inadequado do lixo, contato com areia ou terra e presença de um animal de estimação. Hábitos de higiene, condições sanitárias, socioeconômicas e sociodemográficas estão diretamente relacionados às infecções por parasitos intestinais e devem ser melhoradas para evitar disseminação na população


Palavras-chave


Enteroparasitoses; Fatores associados; Crianças.

Texto completo:

PDF

Referências


World Health Organization [WHO]. Fourth WHO report on neglected tropical diseases: integrating neglected tropical diseases into global health and development. France: World Health Organization; 2017.

Stephenson LS, Latham MC, Ottesen E. Malnutrition and parasitic helminth infections. Parasitology. 2000 out;121(S1):S23-S38. doi: 10.1017/s0031182000006491.

Toledo MJO, Paludetto AW, Moura FT, Nascimento ES, Chaves M, Araújo SM, et al. Evaluation of enteroparasite control activities in a Kaingáng community of Southern Brazil. Rev Saúde Pública. 2009 dez;43(6):981-90. doi: 10.1590/S0034-89102009005000083.

Lobo ML, Augusto J, Antunes F, Ceita J, Xiao L, Codices V, et al. Cryptosporidium spp., Giardia duodenalis, Enterocytozoon bieneusi and other intestinal parasites in young children in Lobata province, Democratic Republic of São Tomé and Principe. PLoS One. 2014 may;9(5):e97708. doi: 10.1371/journal.pone.0097708.

Ferreira GR, Andrade CFS. Alguns aspectos socioeconômicos relacionados a parasitoses intestinais e avaliação de uma intervenção educativa em escolares de Estiva Gerbi, SP. Rev Soc Bras Med Trop. 2005 set-out;38(5):402-5. doi: 10.1590/S0037-86822005000500008.

Hoffman WA, Pons JA, Janer JL. The sedimentation-concentration method in schistosomiasis mansoni. P R Health Sci J. 1934;9(3):283-91.

Faust EC, Sawitz W, Tobie J, Odom V, Peres C, Lincicome DR. Comparative efficiency of various technics for the diagnosis of protozoa and helminths in feces. J Parasitol. 1939 june;25(3):241-62. doi: 10.2307/3272508.

Katz N, Peixoto SV. Análise crítica da estimativa do número de portadores de esquistossomose mansoni no Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2000 may-jun;33(3):303-8.

World Health Organization [WHO]. Medios auxiliares para el diagnostico de las parasitosis intestinales. Geneva: World Health Organization; 1994.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. Cidades. [internet]. [cited 2017 jul 27]. Available from: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/panorama.

Lopes FMR, Gonçalves DD, Reis CR, Mitsuka-Breganó R, Anaruma Filho F, Murad VA, et al. Occurrence of enteroparasitosis in schoolchildren of the municipal district of Jataizinho, State of Parana, Brazil. Acta Sci Health Sci. 2006;28(2):107-11.

Pittner E, Moraes IF, Sanches HF, Trincaus MR, Raimondo ML, Monteiro MCM. Enteroparasitoses em crianças de uma comunidade escolar na cidade de Guarapuava, PR. Rev Salus. 2007 jan-jun;1(1):87-94.

Lopes Mori FMR, Mitsuka-Breganó R, Oliveira FJA, Dutra MCMN, Sarzi MBL, Aidar MR, et al. Fatores associados a enteroparasitoses em escolares da rede municipal de ensino de Cambé. Semina cienc biol saude. 2016 jan-jun;37(1):15-24. doi: 10.5433/1679-0367.2016v37n1p15.

Queiroz PRC, Motin AP, Verbaneck CA, Cristo FD, Souza Oliveira M, Veronese MM, et al. Predominâncias e determinações sociais em ocorrências de parasitoses na região centro-ocidental do Paraná: uma análise sócio-econômica do problema. SaBios. 2006;1(2):13-22.

IPARDES. Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. Caderno Estatístico Município de São Jerônimo da Serra. [internet]. [citado 2017 jul 27]. Disponível em: http://www.ipardes.gov.br/cadernos/montacadpdf1.php?municipio=86270.

Costa-Macedo LM, Machado-Silva JR, Rodrigues-Silva R, Oliveira LM, Vianna MSR. Enteroparasitoses em pré-escolares de comunidades favelizadas da cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 1998 out-dez;14(4):851-5.

Matsuchita HLP, Pitz AF, Melanda FN, Bregano RM, Oliveira FJA, Mori L, et al. Descriptive molecular epidemiology study of Giardia duodenalis in children of Parana State, Brazil. Int J Epidemiol Res. 2017 nov;4(1):1-9.

Prado MS, Barreto ML, Strina A, Faria JAS, Nobre AA, Jesus SR. Prevalência e intensidade da infecção por parasitas intestinais em crianças na idade escolar na Cidade de Salvador (Bahia, Brasil). Rev Soc Bras Med Trop. 2001 jan-fev;34(1):99-101.

Rocha TJM, Braz JC, Calheiros CML. Parasitismo intestinal em uma comunidade carente do município de barra de Santo Antônio, estado de Alagoas. Rev Eletrônica Farm. 2010;7(3):28-33. doi: 10.5216/ref.v7i3.12893.

Basso RMC, Silva-Ribeiro RT, Soligo DS, Ribacki SI, Callegari-Jacques SM, Zoppas BCDA. Evolution of the prevalence of intestinal parasitosis among schoolchildren in Caxias do Sul, RS. Rev Soc Bras Med Trop 2008 may-jun;41(3):263-8. doi: 10.1590/S0037-86822008000300008.

Takizawa MGMH, Falavigna DLM, Gomes ML. Enteroparasitos em materiais fecal e subungueal de manipuladores de alimentos, Estado do Paraná, Brasil. Acta sci, Health Sci. 2009;31(2):89-94. doi: 10.4025/actascihealthsci.v31i2.4935.

Poulsen CS, Stensvold CR. Systematic review on Endolimax nana: A less well studied intestinal ameba. Trop Parasitol. 2016 jan-jun;6(1):8-29. doi: 10.4103/2229-5070.175077.

Guillen A, Gonzalez M, Gallego L, Suarez B, Luz H, Hernandez T, et al. Presence of intestinal protozoans in water of consumption in" 18 de Mayo Community". Aragua State-Venezuela. 2011. Bol Malariol Salud Ambient. 2013;53(1):29-36.

Monge R, Chinchilla M, Reyes L. Seasonality of parasites and intestinal bacteria in vegetables that are consumed raw in Costa Rica. Rev biol trop. 1996 aug;44(2A):369-75.

Morales Moreno P, Cazorla Perfetti D, Antequera I, Navas P, Acosta ME. Contamination of banknotes with enteric parasites in coro, Falcon state, Venezuela. Bol malariol salud ambient. 2014;54(1):38-46.

Vidal AMB, Catapani WR. Enzyme-linked immunosorbent assay (ELISA) immunoassaying versus microscopy: advantages and drawbacks for diagnosing giardiasis. Sao Paulo Med J. 2005 nov-dez;123(6):282-5. doi: 10.1590/S1516-31802005000600006.

Zajac AM, Johnson J, King SE. Evaluation of the importance of centrifugation as a component of zinc sulfate fecal flotation examinations. J Am Anim Hosp Assoc. 2002 may-june;38(3):221-4. doi: 10.5326/0380221.

Savioli L, Smith H, Thompson A. Giardia and Cryptosporidium join the ‘neglected diseases initiative’. Trends Parasitol. 2006 may;22(5):203-8. doi: 10.1016/j.pt.2006.02.015.

Santos SA, Merlini LS. Prevalence of enteroparasitosis in the population of Maria Helena, Paraná State. Ciênc saúde colet. 2010 may;15(3):899-905. doi: 10.1590/S1413-81232010000300033.

Ferreira MU, Ferreira CS, Monteiro CA. Tendência secular das parasitoses intestinais na infância na cidade de São Paulo (1984-1996). Rev Saúde Pública. 2000 dez;34(6 Supl):73-82.

Bencke A, Artuso GL, Reis RS, Barbieri NL, Rott MB. Enteroparasitoses em escolares residentes na periferia de Porto Alegre, RS, Brasil. Rev Patol Trop. 2006 jan-abr;35(1):31-6. doi: 10.5216/rpt.v35i1.1890.

La Sala LF, Leiboff A, Burgos JM, Costamagna SR. Spatial distribution of canine zoonotic enteroparasites in Bahia Blanca, Argentina. Rev Argent Microbiol. 2015 jan-mar;47(1):17-24. doi: 10.1016/j.ram.2014.12.006.

Okhuysen PC, White ACJ. Parasitic infections of the intestines. Curr Opin Infect Dis. 1999 out;12(5):467-72.

Silveira NF. Estudo das enteroparasitoses correlacionando as condições sócio-econômicas e sanitárias de crianças que freqüentam escolas de educação infantil públicas e privadas do município de Lajeado-RS. [Monografia]. Lajeado/RS: Centro Universitário Univates; 2008.

Xavier G. Prevalência de endoparasitos em cães de companhia em Pelotas-RS e risco zoonótico. [Monografia]. Pelotas/RS: Universidade Federal de Pelotas; 2006.

T?mová P, Mazánek L, Lecová L, Dluhošová J, Typovská H, Kotrašová V, et al. A natural zoonotic giardiasis: Infection of a child via Giardia cysts in pet chinchilla droppings. Parasitol Int. 2018 dec;67(6):759-62. doi: 10.1016/j.parint.2018.07.010.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n1p89

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367