Fatores ambientais associados à ocorrência de dengue no município de Chapecó, Estado de Santa Catarina

Maria Assunta Busato, Celita Machado, Junir Antonio Lutinski, Francis Maira Shabat, Daniel Albeny Simões, Anna Maria Siebel, Ronei Baldissera, Jennifer Ann Breaux

Resumo


Este estudo objetivou avaliar a influência de fatores do ambiente para a ocorrência de dengue e a distribuição espacial dos casos no município de Chapecó, Estado de Santa Catarina. Os casos de dengue foram obtidos junto à Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina e Vigilância Epidemiológica de Chapecó. Os dados de recipientes positivos para Aedes aegypti na Vigilância em Saúde Ambiental do município. Em 2015 e 2016 Chapecó registrou 819 casos autóctones de dengue. Apresentou relação significativa entre o número de focos do vetor e as temperaturas mínimas e máximas, assim como os casos de dengue com o tamanho populacional dos bairros avaliados. Este estudo indicou influência multifatorial sobre a proliferação do mosquito e a ocorrência da transmissão viral de dengue no município de Chapecó. Reforça a necessidade de uma abordagem interdisciplinar de ações de prevenção e controle desta endemia

Palavras-chave


Aedes aegypti; Focos; Temperatura; Infecções por arbovírus

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Viana DV, Ignotti E. A ocorrência da dengue e variações meteorológicas no Brasil: revisão sistemática. Rev Bras Epidemiol. 2013;16(2):240-56. doi: 10.1590/S1415-790X2013000200002

Beserra EB, Ribeiro PS, Oliveira AS. Flutuação populacional e comparação de métodos de coleta de Aedes (Stegomyia) aegypti (Diptera, Culicidae). Iheringia, Sér. Zool. 2014;104(4):418-25. doi: 10.1590/1678-476620141044418425

Tauil PL. Aspectos críticos do controle do dengue no Brasil. Cad Saúde Pública. 2002;18(3):867-71.

Scandar SAS, Vieira P, Cardoso RP Jr, Silva RA, Papa M, Sallum MAM. Dengue em São José do Rio Preto, Estado de São Paulo, Brasil, 1990 a 2005: fatores entomológicos, ambientais e socioeconômicos. Bepa. 2010;7(81):4-16.

Brasil. Monitoramento dos casos de dengue, febre de Chikungunya e febre pelo vírus Zika até a semana epidemiológica 50, 2017. Boletim Epidem [Internet]. 2017 [citado 2019 jun. 2]; 48(45). Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/10/2017-046-Publicacao.pdf.

Santa Catarina. Secretaria de Estado da Saúde. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Informações de dengue [Internet]. 2015. [citado 2018 set 10]. Disponível em: http://dive.sc.gov.br/index.php/arquivo-noticias/250-boletim-sobre-situacao-da-dengue-febre-de-chikungunya-e-febre-do-zika-virus-em-santa-catarina-atualizado-em-06-01-2016.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades [Internet]. 2017. [citado 2018 set 15]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/painel/populacao.php?codmun=420420.

Santa Catarina. Secretaria de Estado da Saúde. Diretoria de Vigilância Epidemiológica. Informações de Dengue. [Internet]. 2017. [citado 2017 nov 24]. Disponível em: http://dive.sc.gov.br/index.php/arquivo-noticias/465-boletim-epidemiologico-n-36-2016-situacao-da-dengue-febre-do-chikungunya-e-zika-virus-em-santa-catarina-atualizado-em-31-12-2016-se-52-2016.

Chapecó. Secretaria de Saúde. Vigilância Epidemiológica de Chapecó. Relação de casos de dengue positivos e seus respectivos bairros. Chapecó; 2016.

Centro de Informações de Recursos Ambientais e de Hidrometeorologia de Santa Catarina. Informações meteorológicas de Chapecó, 2015 - 2016. [Internet]. 2016. [citado 2017 mar 15]. Disponível em: http://www.ciram.epagri.sc.gov.br.

Ministério da Saúde (BR). Dengue instruções para pessoal de combate ao vetor: manual de normas técnicas. [Internet]. 2001. [citado 2016 nov 15]. Brasília; 2001. Disponível em: http://docplayer.com.br/2651746-Funasa-dengue-instrucoes-para-pessoal-de-combate-ao-vetor-manual-de-normas-tecnicas-vigilancia-epidemiologica.html.

Nascimento LB, Siqueira CM, Coelho GE, Siqueira JB Jr. Dengue in pregnant women: characterization of cases in Brazil, 2007-2015. Epidemiol Serv Saúde. 2017;26(3):433-442. doi: 10.5123/S1679-49742017000300002.

Fernandes RS, Neves SMAS, Pereira MJB, Ignotti E, Souza CKJ. Dengue e fatores ambientais no município de Tangará da Serra, Amazônia brasileira. Bol Geogr, Maringá. 2014;32(1):35-51. doi: 10.5123/S1679-49742017000300002.

Cox J, Grillet ME, Ramos OM, Amador M, Barrera R. Habitat segregation of dengue vectors along an urban environmental gradient. Am J Trop Med. Hyg. 2007;76(5):820-6.

Barcellos C, Pustai AK, Webr MA, Brito MRV. Identificação de locais com potencial de transmissão de dengue em Porto Alegre através de técnicas de geoprocessamento. Rev Soc Bras Med Trop. 2005;38(30):50-46. doi: 10.1590/S0037-86822005000300008

Lutinski JA, Zanchet B, Guarda C, Constanci C, Friedrich DV, Cechin FTC et al. Infestação pelo mosquito Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) na cidade de Chapecó-SC. Biotemas. 2013; 26(2):143-51. doi: 10.5007/2175-7925.2013v26n2p143

Honório NA. Indicadores da distribuição espacial e temporal de Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera: Culicidae) associados às variáveis climáticas, ambientais e transmissão de dengue [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Instituto Oswaldo Cruz; 2019.

Depradine CA, Lovell E. Climatological variables and the incidence of dengue fever in Barbados. Int J Environ Heal R. 2004;14(6):429-41. doi: 10.1080/09603120400012868

Halstead SB. Dengue Virus-Mosquito Interactions. Annu Rev Entomol. 2008; 53:273-91. doi: 10.1146/annurev.ento.53.103106.093326

Beserra EB, Castro FP Jr, Santos JW, Santos TS, Fernandes CRM. Biologia e exigências térmicas de Aedes aegypti (L.) (Diptera: Culicidae) provenientes de quatro regiões bioclimáticas da Paraíba. Neotrop Entomol. 2006;35(6):853-60.

López-Vélez R, Moreno RM. Cambio climático en España y riesgo de enfermedades infecciosas y parasitarias transmitidas por artrópodos y roedores. Rev Esp Salud Pública. 2005;79(2):177-90.

Souza NMN, Dantas RT, Limeira RC. Influência de variáveis meteorológicas sobre a incidência do dengue, meningite e pneumonia em João Pessoa-PB. Rev. Bras. Meteorol. 2007;22(2):183-92. doi: 10.1590/S0102-77862007000200004.

Costa EAP, Santos EM, Correia JC, Albuquerque CM. Impact os small variations in temperature and humidity on the reproductive activity and survival os Aedes aegypti (Diptera, Culicidae). Rev Bras entomol. 2010;54(3):488-93. doi: 10.1590/S0085-56262010000300021.

Mammen MPJ, Pimgate C, Koenraadt CJM, Rothman AL, Aldstadt J, Nisalak A, et al. Spatial and Temporal Clustering of Dengue Virus Transmission in Thai Villages. Plos Medicine. 2008;5:1605-16. doi: 10.1371/journal.pmed.0050205.

Ribeiro AF, Marques RAM, Voltolini JC, Condino MLF. Associação entre incidência de dengue e variáveis climáticas. Rev Saúde Pública. 2006;40(4):671-76. doi: 10.1590/S0034-89102006000500017.

Câmara FP, Gomes AF, Santos GT, Câmara DCP. Clima e epidemias de dengue no Rio de Janeiro. Rev Soc Bras Med Trop. 2009;42(2):137-40.

Mendonça FA, Souza AV, Dutra DA. Saúde pública, urbanização e dengue no Brasil. Soc Nat. 2009;21(3):257-69.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n2p237

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367