Estado Nutricional, índices antropométricos e variação de peso de idosos em tratamento nutricional ambulatorial

Débora Ribeiro de Ávila, Alessandra Doumid Borges Pretto, Khadija Bezerra Massaut, Laura Santos Gularte, Lislei Scherwinske Grützmann, Ângela Nunes Massaut

Resumo


Objetivo: Avaliar perfil, estado nutricional, índices antropométricos e variação de peso de pacientes idosos atendidos em um ambulatório de nutrição do Sul do Brasil. Material e métodos: Estudo descritivo, realizado de 2014 a 2017. A avaliação foi feita através da análise de dados secundários de prontuários dos pacientes. Foram avaliados na primeira consulta: idade, sexo, patologias, história familiar, altura, hábitos de vida, funcionamento intestinal e estilo de vida. Na primeira e na última consulta: data dos atendimentos, prática e tempo de exercício físico, peso, circunferência da cintura e do pescoço, sendo calculados: número de consultas no período, tempo de intervenção, IMC, índice de conicidade, porcentagem de variação de peso e de perda de excesso de peso entre a primeira e a última consulta. As análises estatísticas foram realizadas no Stata® 11.1 com nível de significância (p<0,05). Resultados: A amostra foi constituída por 68 idosos, essencialmente composta por mulheres (63,24%), com ensino fundamental completo (32,35%) ou incompleto (32,35%), casada (57,35%) e de cor branca (79,41%). A maioria apresentava hipertensão (70,59%), sedentarismo (66,18%), estava acima do peso ideal (82,35%) e com valores acima do recomendado de circunferência da cintura (94,11%), pescoço (89,70%) e do índice de conicidade (97,05%). 82,98% apresentou perda de peso, sendo que 11,77% das mulheres apresentaram perda de mais de 5% do peso entre a primeira e a última consulta. Conclusão: O atendimento ambulatorial nutricional mostrou-se efetivo para promoção da redução das medidas antropométricas, comprovando a necessidade e eficácia da presença do profissional de nutrição neste modelo de atendimento.


Palavras-chave


IMC; Circunferência da cintura; Consumo alimentar.

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [BGE]. Indicadores sociais, uma análise das condições de vida da população brasileira. [Internet]. 2010 [Citado 2017 jun 7]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2010/ sis_2010.pdf.

Andrade RKO, Fonseca GS, Reis VMCP. Estado nutricional de idosos do grupo feliz idade da cidade de capitão ENEAS/ MG. Revista Multitexto. 2015; 3(1): 73-81.

Ministério da Saúde (BR). Obesidade no Brasil, 2017. Pesquisa Portal Brasil. [Internet]. 2017 [acesso em 2018 Fev 4]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/2017/04/obesidade-cresce-60-em-dez-anos-no-brasil

Moreira RM, Santos CES, Couto ES, Teixeira JRB, Souza RMM. Qualidade de vida, saúde e política pública de idosos no Brasil: uma reflexão teórica. Rev Kairos. 2013; 16(1): 27-38.

Rodrigues SC, Abourihan CLS, Yamane R. Qualidade de vida e o estado nutricional em homens idosos institucionalizados. Cad. Escolas de Saúde. 2010; (3): 1-14.

Falsarella GR, Gasparotto, Coimbra IB, Coimbra AMV. Envelhecimento e os fenótipos da composição corporal. Rev Kairos. 2014; 17(2): 57-77.

Cabreira MAS, Filho WJ. Obesidade em idosos: prevalência, distribuição e associação com hábitos e co-morbidades. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2001; 45(5): 494-501.

Rockenbach A, Blasi TC, Blumke AC. Alimentos industrializados mais consumidos por idosos hipertensos. [Trabalho de conclusão do curso]. Santa Maria (RS): Centro Universitário Franciscano; 2012.

Cintra RMG, Oliveira D, Silva LG. Estado nutricional e ocorrência de hipertensão e de diabetes em idosos residentes e não residentes em instituições geriátricas. Alimento e Nutrição Araraquara. 2012; 23(4): 567-575.

Silva TRS. Prevalência de doenças cardiovasculares em diabéticos e o estado nutricional dos pacientes. Revista do Instituto de Ciências da Saúde. 2012; 30(3): 266-70.

Fares D, Barbosa AR, Borgatto ADF, Coqueiro RS, Fernandes MH. Fatores associados ao estado nutricional de idosos de duas regiões do brasil. Rev Assoc Med Bras. 2012; 58(4): 434-41.

Ministério da Saúde (BR). Guia alimentar para a população brasileira. [Internet]. 2014. [citado em 2018 fev 10]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_ populacao_brasileira_2ed.pdf

Malta MB, Papini SJ, Corrente JE. Avaliação da alimentação de idosos de município paulista – aplicação do índice de alimentação saudável. Cien Saude Colet. 2013; 18(2): 377-84.

Lipschitz, D. A. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care, 1994; 21(1): 55-67.

Oliveira IF, Rodrigues PAS. Circunferência de cintura: protocolos de mensuração e sua aplicabilidade prática. Revista de Nutrição e Vigilância em Saúde. 2016; 3(2): 90-95.

Frizon V, Boscaini C. Circunferência do pescoço, fatores de risco para doenças cardiovasculares e consumo alimentar. Revista Brasileira de Cardiologia. 2013; 26(6): 426-34.

Pitanga FJ, Lessa I. Sensibilidade e especificidade do índice de conicidade como discriminador do risco coronariano de adultos em Salvador, Brasil. Rev Bras Epidemiol. 2004; 7(3): 259-69.

Marques APO, Arruda IKG, Santo ACGE, Raposo MCF, Guerra MD, Sales TF. Prevalência de obesidade e fatores associados em mulheres idosas. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2005; 49(3): 441-48.

Souza JD. Padrão alimentar de idosos: caracterização e associação com aspectos socioeconômicos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. 2016; 19(6): 970-77.

Valdez RA. Simple model-based index of abdominal adiposity. J Clin Epidemiol. 1991; 44(9): 955-6.

Valdez R, Seidell JC, Ahn YI, Weiss KM. A new index of abdominal adiposity as an indicator of risk for cardiovascular disease. A cross-population study. Int J Obes Relat Metab Disord. 1993; 17(2): 77-82.

Pitanga FJG, Lessa I. Indicadores antropométricos de obesidade como instrumento de triagem para risco coronariano elevado em adultos na cidade de Salvador - Bahia. Arq Bras Cardiol. 2005; 85(1): 26-31.

Silva VS. Prevalência e fatores associados ao excesso de peso em idosos brasileiros. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. 2011; 16(4): 289-94.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC). I diretriz brasileira de prevenção cardiovascular. Arq Bras Cardiol. 2013; 101(6Supl.2): 1-63.

Teixeira AMNC, Sachs A, Santos GMS, Asakura L, Coelho LC, Silva CVD. Identificação de risco cardiovascular em pacientes atendidos em ambulatório de nutrição. Revista Brasileira Cardiologia. 2010; 23(2): 116-123.

Sichieri R, Coitinho DC, Monteiro JB, Coutinho WF. Recomendações de alimentação e nutrição saudável para a população Brasileira. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2000; 44(3): 227-32.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n2p141

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367