Perfil dos pacientes, técnicas e recursos fisioterapêuticos aplicados no pré e pós-operatório de uroginecologia em Hospital Universitário

Leticia Aldigueri da Silva, Sônia Maria Fabris Luiz

Resumo


Objetivo: Identificar o perfil dos pacientes, técnicas e recursos fisioterapêuticos aplicados no pré e pós-operatório de uroginecologia em hospital universitário. Material e Método: Estudo transversal e retrospectivo por análise de prontuário, de pacientes atendidos pela fisioterapia uroginecológica sob internação hospitalar, em hospital universitário. A amostra foi de 227 pacientes (54,7 ±16,5 anos; 57,3% feminino; 53% residentes em Londrina). Foram coletados dados relativos à identificação do paciente, gênero, faixa etária, procedência, diagnóstico médico e cinético funcional, procedimento cirúrgico, tipo de anestesia, via de acesso cirúrgico, tempo de internação, complicações pós-operatórias, sessões de fisioterapia, técnicas e recursos fisioterapêuticos, orientações e encaminhamento após alta hospitalar. A análise estatística foi descritiva por meio de distribuição de frequência e proporção. Resultados: O diagnóstico médico de maior prevalência foi o mioma uterino (17,8%), sendo a colocação de cateter duplo J (17,6%); videolaparoscopia (49%), a raquianestesia (57%), os procedimentos mais relatados.  Com relação à fisioterapia, 59% dos indivíduos receberam atendimento fisioterapêutico, uma vez/dia (95,6%), média de 5,4 sessões de fisioterapia/internação. Cerca de 84,5% dos pacientes não apresentaram complicações. As principais técnicas respiratórias e motoras foram, a reeducação diafragmática (90,0%) e as reexpansivas (93,3%), os exercícios circulatórios (97%) e a cinesioterapia (96%) respectivamente, sem o uso de recursos materiais na terapia (57,4%). Conclusão: Essa pesquisa evidenciou dados relevantes que poderão auxiliar o profissional fisioterapeuta, o corpo docente e discente do curso de fisioterapia que atuam no HU/UEL, no desenvolvimento de melhorias nesta área, contribuindo para adequações e aprimoramento no registro em prontuários e no tratamento fisioterapêutico destes pacientes

Palavras-chave


Fisioterapia; Hospitalar; Urologia; Ginecologia

Texto completo:

PDF

Referências


Stracieri LDS. Cuidados e complicações pós-operatórias. Medicina. 2008; 41(4):465-8.

Frutuoso C. Cuidados pré-operatórios e pós-operatórios. In: Oliveira CF. Manual de ginecologia. Lisboa: Permanyer Portugal; 2010. p. 603-22.

Cataneo JM. Clínica cirúrgica. Rio de Janeiro: Revinter; 2003.

Baracho E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia, uroginecologia e aspectos de mastologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

Campos RP. Assistência de enfermagem ao paciente cirúrgico: Principais cirurgias. Tatuí: Fundação Educacional Manoel Guedes; 2015.

Simão C. Fisioterapia uroginecológica é imprescíndivel em disfunções do assoalho pélvico. [Internet]. Niterói; 2012 [citado 2019 jul. 2]. Disponível em: http://www.afr.org.br/app/webroot/img/paper/file/Revista_ICB_Out_2012.pdf.

Tacani PM, Tacani RE, Machado AFP, Peroni AE, Silva MA, Freitas JOG. Perfil clínico de pacientes atendidos em fisioterapia assistencial à cirurgia plástica: análise retrospectiva. Conscientiae Saúde. 2013 jun; 12(2): 290-7.

Silva CMC, Vargens OMC. A mulher que vivencia as cirurgias ginecológicas: enfrentando as mudanças impostas pelas cirurgias. Rev. Latino-am. Enfermagem. 2016; 24:e2780.

Covre ER, Melo WA, Tostes MFP, Fernandes CAM. Permanência, custo e mortalidade relacionados às internações cirúrgicas pelo Sistema Único de Saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem. [Internet]. 2019 [citado 2019 jun. 2]; 27:e3136. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01041692019000100324&lng=en

Sesso RC, Lopes AA, Thomé FS, Lugon JR, Watanabe Y, Santos DR. Chronic dialysis in Brazil: report of the Brazilian dialysis census, 2011. J Bras Nefrol 2012;34:272-7. Doi: http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20120009

Oliveira TR, Louzada LAL, Jorge JC. Raquianestesia: prós e contras. Rev Med Minas Gerais. 2015; 25(Supl 4): S28-S35.

Instituto Nacional de Câncer (BR). Controle do câncer de mama: documento de consenso. Rev Bras Cancerol. 2004;50(2):77-90.

Gastaldi AC, Magalhães CMB, Baraúna MA, Silva EMC, Souza HCD. Benefícios da cinesioterapia respiratória no pós-operatório de colecistectomia laparoscópica. Rev Bras Fisioter. 2008 mar./abr; 12(2):100-6.

Cavalli AC, Filho RT, Slongo LE, Cavalli RC, Rocha LCA. O emprego do cateter duplo J diminui as complicações na ureterolitotomia retroperitoneoscópica. Rev. Col. Bras. Cir. 2012; 39(2): 112-8.

Danilovic A. Preditores de complicações da nefrectomia total em pacientes com cálculo renal. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2015.

Oliveira CRD. Anestesia para cirurgia videolaparoscópica. Rev Bras Videocir. 2005; 3(1):32-42.

Marques JP, Mota F. Cirurgia uterina por via abdominal. In: Oliveira CF. Manual de ginecologia. Lisboa: Permanyer Portugal; 2010. p. 447-79.

Santos JS, Kemp R. Fundamentos básicos par a cirurgia e cuidados perioperatórios. Medicina. 2011; 44(1): 2-17.

Oliveira TR, Louzada LAL, Jorge JC. Raquianestesia: prós e contras. Rev Med Minas Gerais. 2015;25(4):28-35.

Rocha JJR. Infecção em cirurgia e cirurgia das infecções. Medicina. 2008; 41(4): 487-90.

Alves AN. A importância da atuação da fisioterapia no ambiente hospitalar. Ensaios Cienc. 2012;16(6):173-84.

Polden M, Mantle J. Fisioterapia em ginecologia e obstetrícia. São Paulo: Ed Santos; 2000.

Rossetti BL, Alexandre M, Costa AC, Rocha KR. Técnicas de cinesioterapia respiratória e manobras de higiene brônquica (MHB) [Internet]. 2016. [citado 2019 jul. 2]. Disponível em: http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/respiratoria/cinesio_bruno/cinesio_respiratoria_bruno.html

Pinheiro AR, Christofoletti G. Fisioterapia motora em pacientes internados na unidade de terapia intensiva: uma revisão sistemática. Rev Bras Terapia Intensiva. 2012;24(2):188-96.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n2p203

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367