Fatores de risco para câncer de mama e colorretal em população assistida por Equipe de Saúde da Família

Eliseu Siles Barduco, Manoela Farias Alves, Luciano Ferreira, Rúben Walter Brañas Coelho, Ivana Loraine Lindemann

Resumo


Objetivo: Descrever a frequência e a distribuição de alguns fatores de risco para o câncer colorretal e de mama, dentre adultos e idosos assistidos por uma Equipe de Saúde da Família (ESF). Métodos: Estudo descritivo realizado no município de Barra Funda, RS, com uma amostra não-probabilística de adultos e idosos assistidos pela ESF. A coleta de dados foi feita no período de março a outubro de 2016, através da aplicação de questionário pelas Agentes Comunitárias de Saúde (ACS), sendo analisados por meio de estatística descritiva. Resultados: Foram incluídos 540 participantes sendo os fatores de risco mais frequentes: uso de anticoncepcionais orais, idade, história familiar, obesidade, falta de atividade física, consumo de carnes (vermelha e processada) e de bebida alcoólica. Conclusões: Os resultados estão em conformidade com os altos índices dessas neoplasias no município e no estado, o que demonstra a necessidade da atuação da ESF na prevenção primária voltada, especialmente, aos fatores de risco modificáveis.


Palavras-chave


Saúde da família; Fatores de risco; Câncer colorretal; Câncer de mama.

Texto completo:

PDF

Referências


Silocchi C, Junges JR. Equipe de atenção primária: dificuldade no cuidado de pessoas com doenças crônicas não transmissíveis. Trab. educ. saúde. 2017; 15(2):599-615. doi:http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00056.

Malta DC, Bernal RTI, Lima MG, Araújo SSC, Silva MMA, Freitas MIF, et al . Doenças crônicas não transmissíveis e a utilização de serviços de saúde: análise da pesquisa nacional de saúde no Brasil. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2017 [citado 2019 ago 5]; 51(Suppl 1): 4s. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102017000200306&lng=en.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev. Saúde Pública. 2012; 46(Suppl 1):126-134. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102012000700017.

Ministério da Saúde (BR). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. [internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011. [citado 2017 nov 16]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/plano_acoes_enfrent_dcnt_2011.pdf.

Campolina AG, Adami F, Santos JLF, Lebrão, ML. A transição de saúde e as mudanças na expectativa de vida saudável da população idosa: possíveis impactos da prevenção de doenças crônicas. Cad. Saúde Pública. 2013; 29(6): 1217-1229. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2013000600018.

Universidade Estadual de São Paulo. Doenças crônicas não-transmissíveis e estilos de vida saudáveis: um alerta mundial!. [internet]. São Paulo: UNIFESP; 2017 [citado 2017 nov 16]. Disponível em: http://www.saude.br/index.php/articles/111-doencas-cronicas-nao-transmissiveis/240-doencas-cronicas-nao-transmissiveis-e-estilos-de-vida-saudaveis-um-alerta-mundial.

Instituto Nacional de Câncer. ABC do câncer: abordagens básicas para o controle do câncer. [internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2011[citado 2015 nov 17]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/abc_do_cancer.pdf.

Organización Mundial de laSalud. Factores causales de câncer. [internet]. [lugar desconocido]: OMS; 2017 [citado 2017 nov 16]. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs297/es/.

Instituto Nacional do Câncer. Prevenção e fatores de risco. [internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2017 [citado 2017 nov 16]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/ prevencao-fatores-de-risco.

Bray F, Ferlay J, Soerjomataram I, Siegel RL, Torre LA, Jemal A. Global cancer statistics 2018: globocan estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA Cancer J Clin. 2018 Nov;68(6):394-424. doi: 10.3322/caac.21492.

Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. [internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2018 [citado 2019 ago 5]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2018/estimativa-2018.pdf.

Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2014: incidência de câncer no Brasil. [internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2014 [citado 2017 nov 2017]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/bvscontrolecancer/publicacoes/Estimativa_2014.pdf.

Fundação Instituto Oswaldo Cruz. Casos de câncer aumetam no mundo. [internet]. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2015 [citado 2015 nov 17]. Disponível em: http://www6.ensp.fiocruz.br/radis/conteudo/casos-de-cancer-aumentam-no-mundo.

Brasil. Em seis anos, SUS dobra recursos para tratamento contra o câncer. [internet]. [Brasília]: Ministério da Saúde; 2018 [citado 2019 ago 5]. Disponível em: http://legado.brasil.gov.br/noticias/saude/2018/04/em-seis-anos-sus-dobra-recursos-para-tratamento-contra-o-cancer.

Instituto Nacional do Câncer. Fatores de risco para o câncer de mama. [internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2019 [citado 2019 ago 5]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/controle-do-cancer-de-mama/fatores-de-risco.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sinopse do censo demográfico 2010. [internet]. 2010 [citado 2017 out 6]. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/sinopse/index.php?dados=9&uf=00.

Ministério da Saúde (BR). Rol de diretrizes, objetivos, metas e indicadores. [internet]. 2013 [citado 2017 dez 11]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?pacto/2013/cnv/coapmunrs.def.

Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade 2009-2010. [internet]. São Paulo: AC farmacêutica; 2009 [citado 2017 dez 9]. Disponível em: http://www.abeso.org.br/pdf/diretrizes_brasileiras_obesidade_2009_2010_1.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntese de indicadores. [internet]. 2a ed. Rio de Janeiro: IBGE; 2015 [citado 2017 dez 9]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94414.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013. [internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2013 [citado 2017 out 6]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/pns/2013/.

Batista Filho M, Rissin A. A transição nutricional no Brasil: tendências regionais e temporais. Cad. Saúde Pública. 2003; 19(Suppl1):181-191. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2003000700019.

Matos JC, Pelloso SM, Carvalho MDB. Prevalence of risk factors for breast neoplasm in the city of Maringá, Paraná state, Brazil. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2010; 18(3): 352-359. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692010000300009.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n2p227

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367