Itinerário terapêutico de brasileiros na atenção primária na tríplice fronteira

Lisete Teixeira Palma Lima, Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso

Resumo


Introdução: No Sistema Único de Saúde a atenção primária deve ser a porta de entrada aos serviços para todos os cidadãos brasileiros. Em região de fronteira, a delimitação de território para acessá-la não está submetida exatamente a definição geográfica, mas ao sentimento de pertencimento. Objetivo: conhecer o itinerário terapêutico de brasileiros, residentes no Paraguai ou na Argentina, em busca de cuidados a saúde, na atenção primária, em Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil. Metodologia: pesquisa qualitativa, exploratória, com coleta de dados por meio de entrevistas semiestruturadas com treze usuários brasileiros não residentes no país, as quais foram realizadas em unidade básica de saúde, em 2016. Os dados foram transcritos, agrupados e analisados a partir de uma perspectiva temática. Resultados: os caminhos são percorridos com fragilidade na integralidade da atenção e na equidade das respostas do sistema de saúde em relação à pluralidade de carências desses usuários. Houve utilização similar dos subsistemas do itinerário terapêutico, entretanto o subsistema profissional foi o mais mencionado. Considerações: percebeu-se necessidade de revisão dos serviços quanto ao cumprimento dos atributos da atenção primária no cuidado de saúde aos brasileiros residentes fora do país.

Palavras-chave


Atenção primária à saúde; Acesso aos serviços de saúde; Integralidade em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Ferrari M. As noções de fronteira em geografia. Rev Perspectiva Geográfica. 2014; 9(10):1-25.

Ministério da Integração Nacional (BR). CDIF. Comissão Permanente para o Desenvolvimento e a Integração da Faixa de Fronteira. Bases para uma proposta de desenvolvimento e integração da faixa de fronteira. Grupo de trabalho interfederativo de integração fronteiriça. [Internet] 2010. [citado 2016 ago. 11]. Disponível em: http://www.mi.gov.br/c/document_library/get_file?uuid=ab3fdf20-dcf6-43e1-9e64-d6248ebd1353&groupId=10157.

Azevedo ST, Souza EBC. SIS-Fronteiras: o acesso à saúde para estrangeiros nos municípios paranaenses margeados pelo lago de Itaipu. Em: Anais da 8ª Semana Acadêmica e 8ª Expedição Geográfica: ensino, práticas e formação em Geografia; 2013; Cascavel: Unioeste; 2013.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. [Internet]. 2017 [citado 2017 out 11]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/MatrizesConsolidacao/comum/250584.html.

Foz do Iguaçu. Secretaria Municipal da Saúde. Relatório Anual de Gestão 2015. [Internet] 2015. [citado 2017 jan 6]. Disponível em: http://www.pmfi.pr.gov.br/ArquivosDB?idMidia=97328.

Ferreira DC, Silva GA. Caminhos do cuidado: itinerários terapêuticos de pessoas que convivem com HIV. Cien Saude Colet. 2012; 17(11):3087-98.

Mattosinho MMS, Silva DMGV. Itinerário terapêutico do adolescente com diabetes mellitus tipo 1 e seus familiares. Rev Latino-Am Enferm. 2007; 15(6):1113-9.

Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4a. ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14a. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Albuquerque MSV, Lyra TM, Farias SF, Mendes MFM, Martelli PJL. Acessibilidade aos serviços de saúde: uma análise a partir da Atenção Básica em Pernambuco. Saúde em Debate. 2014; 38(3):182-94.

Garcia VM, Reis RK. Perfil de los usuarios atendidos en una unidad de emergencia. Rev. Bras. Enferm. 2014; 67(2):261-7. Doi: 10.5935/0034-7167.20140035.

Viegas APB, Carmo RF, Luz ZMP. Fatores que influenciam o acesso aos serviços de saúde na visão de profissionais e usuários de uma unidade básica de referência. Saúde Soc. 2015; 24(1):100-112.

Brasil. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Sala de situação. Dados e indicadores do setor. [Internet]. 2016. [citado 2016 ago 13]. Disponível em: http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-e-indicadores-do-setor/sala-de-situacao.

Fertonani HP, Pires DEP, Biff D, Scherer MDA. Modelo assistencial em saúde: conceitos e desafios para a atenção básica brasileira. Cien Saude Colet. 2015; 20(6):1869-78.

Pinho PA, Pereira PPG. Therapeutic itineraries: paths crossed in the search for care. Interface. 2012; 16(41):435-47.

Silva-Junior ND, Gonçalves G, Franklin D. Escolha do itinerário terapêutico diante dos problemas de saúde: considerações socioantropológicas. Em: Anais do 3º Encontro Baiano de Estudos em

Cultura; 2012; Cachoeira: Recôncavo da Bahia; 2012.

Seixas CT, Merhy EE, Baduy RS, Slomp-Junior H. La integralidad desde la perspectiva del cuidado en salud: una experiencia del Sistema Único de Salud en Brasil. Salud Colectiva. 2016; 12(1):113-23.

Kalichman AO, Ayres JRCM. Integralidade e tecnologias de atenção à saúde: uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Cad Saude Publica. 2016; 32(8): e00183415.

Ayres JRCM. Cuidado: trabalho, interação e saber nas práticas de saúde. Rev Baiana Enferm. 2017; 31(1):3-4.

Slomp-Junior H, Feuerwerker LCM, Merhy EE. Histórias de vida, homeopatia e educação permanente: construindo o cuidado compartilhado. Cien Saude Colet. 2015; 20(6):1795-803.

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco/Ministério da Saúde; 2002.

Finkler AL, Viera CS, Tacla MTGM, Toso BRGO. O acesso e a dificuldade na resolutividade do cuidado da criança na atenção primária à saúde. Acta Paul Enferm. 2014; 27(6):548-53.

Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Cien Saude Colet. 2012; 17(11): 2865-75.

Lima SAV, Silva MRF, Carvalho EMF, Pessoa EAC, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis [Internet]. 2015; 25(2):635-656. [citado 2018 jan 6]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312015000200635&lng=en.

Baracho M. Batalha entre o SUS formal e o real perpetuam as iniquidades em saúde. [Internet]. 2013. [citado 2016 ago 20]. Disponível em: http://dssbr.org/site/2013/02/batalha-entre-o-sus-formal-e-o-real-perpetuam-as-iniquidades-em-saude.

Fonseca-Viegas SM, Mattos-Penna CM. A construção da integralidade no trabalho cotidiano da equipe saúde da família. Esc. Anna Nery. 2013; 17(1):133-41.

Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: CONASS; 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n1p37

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367