Efeitos imediatos da terapia auricular em indivíduos hipertensos de uma unidade de pronto atendimento

Ana Paula Marca, Bianca Aparecida Caldas Chiapetti, Karen Andrea Comparin, Fernando Amancio Aragão

Resumo


A hipertensão arterial sistêmica (HAS) se caracteriza por níveis elevados de pressão arterial (PA) de maneira contínua. É uma doença de causas multifatoriais, difícil diagnóstico e com altas taxas de mortalidade. Um método com efeito hipotensor rápido é a terapia auricular por sangria, proveniente da Medicina Tradicional Chinesa (MTC). O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos imediatos da terapia auricular em indivíduos hipertensos de uma unidade de pronto atendimento da cidade de Cascavel-PR. Para tanto, foi verificada a PA antes do procedimento (PA inicial), e se estivesse ? 140/90 mmHg, era realizada a técnica de sangria no ponto Erjian auricular. Dez minutos após, aferia-se novamente a PA (PA final). Os resultados demonstraram redução significativa tanto na PA sistólica (PAS) inicial (157,27 ± 14,49) quando comparada à PAS final (142,97 ± 14,01), quanto na PA diastólica (PAD) inicial (99,83 ± 11,26) em comparação com a PAD final (90,66 ± 8,82). Conclui-se que a sangria no ápice da orelha foi capaz de reduzir significativamente a PA nos indivíduos investigados. Entretanto, tornam-se necessários novos estudos neste sentido, a fim de comprovar os reais benefícios da acupuntura sobre a HAS.

Palavras-chave


Acupuntura; Hipertensão; Medicina Tradicional Chinesa; Sangria.

Texto completo:

PDF

Referências


Malachias M, Souza W, Plavnik F, Rodrigues C, Brandão A, Neves M, et al. 7a Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol. 2016;107(3):1–83.

Pereira IMO. Proposta de intervenção interdisciplinar para a adesão dos pacientes ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. Liph Sci. 2015;2(2):21–40.

Vieira CPB, Nascimento JJ, Barros SS, Luz MHBA, Valle ARMC. Prevalência referida, fatores de risco e controle da hipertensão arterial em idosos. Ciência, Cuid e Saúde. 2016;15(3):413–20.

Nobre F, Coelho EB, Lopes PC, Geleilete TJM. Hipertensão arterial sistêmica primária. Med (Ribeirao Preto Online). 2013;46(3):256–72.

Santos A, Barreto V, Oliveira S, Gomes C, Viana K, Brasil B, et al. Perfil Epidemiológico da Hipertensão Arterial Sistêmica na população de Cajazeiras, Paraíba. Rev Bras Ciências da Saúde. 2013;17(3):253–62.

Neto VLS, Sucupira PA, Virgolino FSS, Mendonça AEO, Filho JJ. O perfil sócio-epidemiológico dos hipertensos das Unidades básicas de Saúde. Rev da Univ Val do Rio Verde. 2013;10(1):445–56.

Oliveira TL, Miranda LP, Fernandes PS, Caldeira AP. Eficácia da educação em saúde no tratamento não medicamentoso da hipertensão arterial. Acta Paul Enferm. 2013;26(2):179–84.

Zhao XF, Hu HT, Li JS, Shang HC, Zheng HZ, Niu JF, et al. Is Acupuncture Effective for Hypertension? A Systematic Review and Meta-Analysis. PLoS One. 2015;10(7):1–21.

Pereira CF, Villela WV. Organização e funcionamento do serviço de acupuntura na rede pública de saúde. Investigação. 2015;14(1):150–8.

Schveitzer MC, Zoboli ELCP. Role of complementary therapies in the understanding of primary healthcare professionals: a systematic review. Rev da Esc Enferm da USP. 2014;48(Esp):184–91.

Serpa L, Watanabe L, Carvalho A. Utilização da Acupuntura em Órgãos e Vísceras, Através dos Pontos Bei Shu: Revisão Bibliográfica. Amaz Sci Heal. 2016;4(1):35–40.

Ministério da Saúde (BR), Secretária de Atenção à Saúde. Política nacional de práticas integrativas e complementares no SUS: atitude de ampliação de acesso. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

Moyses FC. Evolução do serviço de acupuntura no sus: desafios e atualidades [dissertação]. São Paulo (SP): Pontifícia Universidade Católica de São Paulo; 2016.

Nogueira Júnior JC. Hipertensão arterial sistêmica: um estudo sobre a ótica ocidental e oriental e o uso de fitoterapia e ervas medicinais no Brasil [dissertação]. São José dos Campos (SP): Faculdade de Educação, Ciência e Tecnologia - Unisaúde/CEFIRVAL; 2014.

Oliveira RR. Hipertensão Arterial Sistêmica: Efeito Hipotensor da Sangria no Ponto Reflexo Cerebral da Auriculoterapia. Rev Bras Ter e Saúde. 2013;4(1):1–5.

Ferreira AP, Rocha TC, Neto AFE, Rodrigues KLS, Aleixo LB, Ramos PS. Respostas cardiovasculares agudas à uma sessão de auriculoterapia em indivíduos normotensos. Rev Bras Ciências Médicas e da Saúde. 2016;4(4):1–7.

Chaves DFL, Jesus JH, Geron VLMG, Nunes JS, Lima RRO. A substituição do captopril pelo enalapril no tratamento de hipertensão arterial no âmbito do sistema único de saúde. Saber Científico. 2017;6(2):111–24.

Oliveira SN, Ramos BJ, Piazza M, Prado ML, Reibnitz KS, Souza AC. Unidade De Pronto Atendimento – Upa 24h: Percepção Da Enfermagem. Texto Context - Enferm. 2015;24(1):238–44.

Silva ACR, Reis SA, Santos PG. Gestão pública hospitalar: um estudo de caso do serviço de urgência e emergência de um hospital de grande porte do Distrito Federal. Rev Gestão Ind. 2017;13(4):70–97.

Ruiz FS, Oliveira AF, Simão ANC, Lozovoy MAB, Alfieri DF, Sandrini F, et al. Associação entre deficiência de vitamina D, adiposidade e exposição solar em participantes do sistema de hipertensão arterial e diabetes melito. Semin Ciências Biológicas e da Saúde [Internet]. 2014 [citado em 2018 jul 25];35(2):103–14. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/19328.

Freitas JGA, Nielson SEO, Porto CC. Studies on diabetic patients in primary care. Rev da Soc Bras Clínica Medica. 2015;13(1):75–84.

Jasmim JS, Queluci GC. Studies On Diabetic Patients In Primary Care. J Nurs UFPE on line. 2018;12(4):1072–84.

Bündchen DC, Schenkel IC, Santos RZ, Carvalho T. Exercise controls blood pressure and improves quality of life. 2013;19(2):91–5.

Pinho NA, Pierin AMG. Hypertension Control in Brazilian Publications. Arq Bras Cardiol. 2013;101(3):65–73.

Santos MVR, Oliveira DC, Arraes LB, Oliveira DA, Medeiros L, Novaes MA. Adesão ao tratamento anti-hipertensivo: conceitos , aferição e estratégias inovadoras de abordagem. Rev da Soc Bras Clínica Médica [Internet]. 2013 [citado em 2018 jul 25];11(1):55–61. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17070434.

Teixeira MZ, Lin CA. Educação médica em terapêuticas não convencionais. Rev Med. 2013;92(4):224–35.

Pereira MST. O efeito da acupunctura na Hipertensão: estudo prospectivo, randomizado, controlado [dissertação]. Portugal: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, Universidade do Porto; 2015.

Li J, Wang Y, He K, Peng C, Wu P, Li C, et al. Effects of acupuncture at LR3 on cerebral glucose metabolism in a rat model of hypertension: A 18F-FDG-PET study. Evid Based Complement Altern Med. 2018;2018:1–8.

Zheng H, Han Y, Du Y, Shi X, Huang H, Yu X, et al. Regulation of Hypertension for Secondary Prevention of Stroke: The Possible ‘Bridging Function’’ of Acupuncture.’ Complement Med Res. 2018;25(1):45–51.

Frezza SC. Ansiedade, estresse e auriculoterapia: uma revisão de literatura [dissertação]. Criciúma (SC): Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC; 2016.

Carmo MA, Antoniassi DP. Avaliação da dor e qualidade de vida em mulheres com fibromialgia submetidas ao tratamento de auriculoterapia associada à fisioterapia ou exercícios físicos. Rev Bras Qual Vida. 2018;10(1):1–17.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2019v40n1p15

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367