Prevalência de insegurança e consumo alimentar em famílias do programa de aquisição de alimentos

Chirle de Oliveira Raphaelli, Shanda de Freitas Couto, Gisele Ferreira Dutra, Alessandra Doumid Borges Pretto, Janaína Vieira dos Santos Motta, Andrea Wander Bonamigo

Resumo


Pouco se monitora e se avalia a situação de insegurança alimentar e nutricional, especialmente, a fim de verificar a efetividade das ações governamentais. O objetivo desse trabalho foi estimar a prevalência de insegurança alimentar e de consumo das famílias inscritas no Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar em São Lourenço do Sul (RS). Tratou-se de estudo transversal, realizado entre janeiro e março de 2012, envolveu todas as famílias inscritas no Programa de Aquisição de Alimentos de São Lourenço do Sul (RS). A insegurança alimentar foi avaliada com a Escala Brasileira de Insegurança Alimentar, versão longa, classificando as famílias em segurança ou insegurança alimentar (leve, moderada ou grave). O consumo foi identificado pelo questionário de avaliação dos marcadores de consumo alimentar. Das 830 famílias inscritas no Programa, 585 foram entrevistadas (70,5%) e 80% estavam em situação de insegurança alimentar. O consumo familiar de feijão, cereais e ovos foi elevado e, de frutas, legumes e verduras foi reduzido. Conclui-se que a prevalência de insegurança alimentar nas famílias é elevada e o consumo de marcadores da alimentação saudável é baixo para o grupo de frutas. Os dados servirão para direcionar ações a nível municipal.

Palavras-chave


Consumo de alimentos; Segurança alimentar e nutricional; Políticas públicas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2018v39n2p161

Direitos autorais 2018 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367