Comparação entre métodos de análise da composição corporal: síndrome de down x desenvolvimento típico

Aline Bernardes de Souza, José Renato Campanelli, Silvana Maria Blascovi-Assis

Resumo


Este estudo buscou comparar as médias do percentual de gordura (%G) e do índice de massa corporal (IMC) entre três métodos distintos de análise da composição corporal em adolescentes com desenvolvimento típico (GC) e com Síndrome de Down (GSD). Para tal, contou-se com uma amostra de 60 adolescentes (30 GSD e 30 GC), de ambos os sexos, com idades entre 11 e 14 anos. Na avaliação e comparação do %G utilizou-se as bioimpedâncias elétricas de modelo tetrapolar, de membros superiores (OMRON®) e de membros inferiores (TANITA®) e, para o IMC a bioimpedância tetrapolar, a TANITA® e fórmula antropométrica. Os resultados demonstraram diferenças entre os métodos utilizados, tanto para a percentagem de gordura (GC: x2= 28,78, p=0,000; GSD: x2= 10,85, p=0,004) como para o cálculo do IMC (GC: x2= 7,65, p = 0,22; GSD: x2= 6,655, p=0,036), sendo superior no GSD. Portanto, conclui-se que, a bioimpedância tetrapolar continua sendo o melhor método para mensuração da percentagem de gordura e do IMC havendo diferenciação nos dados apresentados por outros modelos de aferição.

Palavras-chave


Composição Corporal; Síndrome de Down; Impedância Elétrica.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2018v39n2p103

Direitos autorais 2019 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367