Bioatividade do óleo essencial de Endro (Anethum graveolens L.) sobre o bioindicador Alface

Jéssica El Koury Santos, Eduarda Nachtigall dos Santos, Rejane Peter, Ivandra Santi, Vera Lucia Bobrowski, Beatriz Helena Gomes Rocha

Resumo


Muitas espécies vegetais são utilizadas mundialmente na forma de chás, infusões, componentes de cosméticos ou aditivos alimentícios. Porém, a maioria delas não foi suficientemente estudada quanto ao potencial de interação no metabolismo ou ao efeito citotóxico/genotóxico. O endro ou dill (Anethum graveolens L.) é uma planta condimentar e medicinal utilizada em muitos países há muito tempo, sendo popularizado no Brasil nos últimos anos pelo seu potencial antioxidante. O emprego de bioensaios vegetais para o monitoramento de substâncias ou frações de compostos isolados de plantas é uma excelente ferramenta, sendo conduzidos com sementes de espécies sensíveis, como as de alface e de cebola, por possibilitarem a expressão de resultados de compostos tóxicos em baixas concentrações. Assim, objetivando avaliar a bioatividade tóxica do óleo essencial de folhas de endro sobre células meristemáticas de alface através das etapas do ciclo celular, foi desenvolvida esta pesquisa. Para tanto, sementes comerciais de alface foram acondicionadas em caixas gerbox forradas com papel germiteste umedecido com 2 mL de cada solução/tratamento e mantidas a 25 ºC (RAS, 2009). Os tratamentos consistiram de água destilada (controle negativo) e cinco concentrações do óleo essencial de endro diluído em água (40, 80, 160, 320 e 640 mg/L), com acréscimo de 5% do co-emulsificador Tween 80/tratamento. Foram utilizadas quatro repetições de 100 sementes para cada tratamento, em delineamento estatístico inteiramente casualizado. As etapas do ciclo celular foram empregadas para o cálculo do índice mitótico (IM) e de observações de anormalidades cromossômicas (AC), a partir de pontas de raiz de quatro dias, segundo Souza et al. (2005). Após a análise das lâminas não foram encontradas diferenças significativas pelo teste de Tuckey a 5% nas variáveis IM e AC com as cinco concentrações de óleo em comparação à água, revelando, portanto, a ausência de bioatividade tóxica do óleo de endro sobre sementes de alface. Porém, é recomendada a utilização de testes com outros bioindicadores sensíveis para verificação de possíveis efeitos citogenotóxicos.


Palavras-chave


Citotoxicidade; Genotoxicidade; Bioensaio; Índice mitótico

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2017v38n1suplp108

Direitos autorais 2018 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367