AVALIAÇÃO DE ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS POR CGH-ARRAY EM PORTADORES DE DISMORFIAS E DEFICIÊNCIA INTELECTUAL COM CARIÓTIPO NORMAL

Katyanne Heringer de Oliveira Ribeiro, Thainá Altoé dos Santos, Terezinha Sarquis Cintra

Resumo


A deficiência intelectual é uma condição presente em 2% a 3% da população e mais da metade dos casos ainda

são considerados idiopáticos. Sua etiologia é heterogênea e as anomalias cromossômicas têm importante

contribuição. A detecção de pequenas instabilidades genômicas, atualmente são apontadas como fator

etiológico. O estudo cromossômico microscópico pelo bandeamento G (cariótipo convencional) apresenta

limitações para detecção de pequenas instabilidades genômicas e a Hibridização Genômica Comparativa por

array (aCGH) é capaz de identificar perdas e ganhos de material genômico com alta resolução. O objetivo do

trabalho foi investigar as anormalidades cromossômicas por aCGH em pacientes com características

dismórficas e deficiência intelectual com cariótipo convencional normal. O estudo realizado foi retrospectivo,

período de janeiro de 2012 a fevereiro de 2014, analisando os resultados do aCGH de 39 pacientes que

possuem os resultados da análise de cariótipo convencional normal, com suspeitas de microalterações no

genoma. Os critérios de inclusão no estudo foram indivíduos que apresentavam DI e/ou dismorfias que tiveram

o resultado do exame de cariótipo com bandeamento G normal e realizaram o teste de aCGH, os indivíduos

que apresentaram cariótipo alterado não entraram no presente estudo. Com os resultados obtidos pôde-se

identificar alterações cromossômicas e CNVs através do aCGH que são classificadas em três categorias:

patogênicas, benignas e resultados de significância incerta. Das 39 amostras obtidas no estudo, somou-se o

total 26 pacientes com cariótipo e aCGH normais e 13 pacientes que apresentaram cariótipo normal e aCGH

com algum tipo de alteração, dentre eles 6 apresentaram alterações designadas como patogênicas, 6 alterações

com significado clinico incerto e 1 com variante benigna. A análise de aCGH permitiu uma taxa considerável

de detecção de anomalias cromossômicas que não foram detectadas na análise convencional por bandeamento

cromossômico, o exame de cariótipo. Nesse estudo, os resultados obtidos mostraram que a caracterização do

perfil genético por aCGH nos pacientes com deficiência intelectual e dismorfias, possibilitou complementar o

diagnóstico etiológico em 15,4% dos casos. Apesar da difícil interpretação, o aCGH mostrou-se um método

sensível, podendo ser utilizado como metodologia complementar em diagnósticos de patologias.


Palavras-chave


Microdeleção; Anormalidades cromossômicas; Variantes patogênicas; Array-CGH

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2017v38n1suplp99

Direitos autorais 2018 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367