Cariótipo e valor 2C de espécies do gênero Passiflora L.: um suporte ao conhecimento citotaxonômico

Ariane Tonetto Vieira, Darley Aparecido Tavares Ferreira, Cristiana Torres Leite, Carlos Roberto Carvalho, Wellington Ronildo Clarindo

Resumo


Estudos citogenéticos no gênero Passiflora tem reportado o número cromossômico, a caracterização do cariótipo e o conteúdo de DNA nuclear. Entretanto, a maioria das análises se limita ao número cromossômico e às espécies dos subgêneros Passiflora e Decaloba. Assim, diferentes autores apontam a necessidade de expandir as informações acerca do cariótipo de mais espécies, especialmente para os subgêneros Astrophea e Deidamioides. O objetivo foi ampliar a caracterização do cariótipo e mensurar o DNA nuclear de espécies representantes dos quatro subgêneros. O número cromossômico determinado para 30 espécies, 13 inéditas, variou: sete espécies do subgênero Decaloba com 2n=2x=12, 16 do subgênero Passiflora com 2n=18 e uma com 2n=20 (P. foetida), quatro do subgênero Astrophea com 2n=4x=24, uma do subgênero Deidamioides com 2n=4x=24 (P. arbelaezii) e outra com 2n=8x=48 (P. contracta). A caracterização citogenética foi conduzida pela primeira vez para 29 espécies. Cromossomos metacêntricos e submetacêntricos predominaram no cariótipo, e duas espécies do subgênero Astrophea (P. lindeniana e P. arborea) apresentaram um par acrocêntrico. O valor 2C nuclear de 41 espécies oscilou entre 2C=0,59 pg (P. capsularis Decaloba) a 2C=5,46 pg (P. quadrangularis Passiflora), sendo encontradas discrepâncias de até 800%. Algumas espécies tiveram valores 2C idênticos, como P. auriculata (Decaloba) e P. coccinea (Passiflora) com 2C=2,00 pg, e P. arborea (Astrophea) e P. tripartita (Passiflora) com 2C=2,53 pg. Com base nos resultados foi possível separar o subgênero Decaloba dos demais pelo número cromossômico, nível de ploidia e tamanho de genoma estatisticamente menor. O subgênero Passiflora foi discriminado pelo número cromossômico. Entretanto, o nível de ploidia não foi determinado em virtude dos eventos de poliploidização seguido por disploidia reducional que ocorreram no cariótipo dessas espécies ao longo da evolução. Astrophea e Deidamioides possuem mesmo nível de ploidia e valores 2C estatisticamente idênticos, porém foram distinguidos dos demais subgêneros pelo número cromossômico e nível de ploidia. Destaque para P. contracta que mostrou o dobro do tamanho do genoma nuclear (2C=4,78 pg) e uma condição octaploide. Portanto, os dados, conjuntamente ou não, foram importantes como marcadores taxonômicos no gênero Passiflora, corroborando com dados prévios obtidos por meio da citogenética clássica e molecular.


Palavras-chave


Citogenética; Conteúdo de DNA nuclear; Evolução do cariótipo

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367