Evidência de novas espécies de Rineloricaria (Siluriformes, Loricariidae) na bacia do rio Iguaçu, Paraná utilizando dados citogenéticos e de DNA barcoding

Andrea Cius, Luciana Andréia Borin de Carvalho, Daniel Pacheco Bruschi, Carla Andréia Lorscheider, Claúdio Henrique Zawadzki, Mateus Arduvino Reck, Ana Camila Prizon, Camilla Borges Gazolla, Layon Zafra Lemos, Leandro Ranucci, Luara Lupepsa, Pablo Barbieri, Julio Henrique Olivia, Ana Luiza de Brito Portela Castro

Resumo


Rineloricaria é caracterizado por uma ampla variabilidade cromossômica e relatos de polimorfismos numéricos e/ou estruturais são relativamente comuns para este gênero. A bacia do Rio Iguaçu, a qual pertence a população em estudo, caracteriza-se por uma ictiofauna endêmica tornando-a de grande interesse para estudos filogenéticos e evolutivos. Estudos prévios realizados para uma população do Rio Iguaçu no estado do Paraná, revelaram um expressivo polimorfismo cromossômico numérico e estrutural de 2n=64 a 68, com diversas fórmulas cariotípica em Rineloricaria aff. langei. Sendo assim, com a finalidade de investigar se há mais de uma espécie para a população em estudo, foi sequenciado gene mitocondrial Citocromo C Oxidase I (COI) de 12 indivíduos pertencentes a população de Rineloricaria aff. langei. O COI foi isolado através da amplificação com primers específicos gerando fragmentos de aproximadamente 500 pb. Analises filogenéticas utilizando os métodos de máxima verossimilhança e analise bayesiana evidenciaram a distinção de dois clados para esta população, com divergência genética média acima de 3%. O clado 1 agrupou 8 cariótipos prováveis: cariótipo A com 2n= 65, fórmula cariotípica 3m+62st/a e NF=68, B com 2n=65, 4m+61st/a e NF=69, C com 2n=66, 3m+63st/a e NF=69, D com 2n=67, 3m+64st/a e NF=70, E com 2n=65, 4m+61st/a e NF=69, F com 2n=67, 4m+63st/a e NF=71, G com 2n=67, 1m+66st/a e NF=68 e H com 2n=67, 2m+65st/a e NF=69. Enquanto, o clado 2 agrupou 4 cariótipos: cariótipo I com 2n=66, 2m+64st/a e NF=68, J com 2n=65, 3m+62st/a e NF=68, K com 2n=65, 6m+59st/a e NF=71, e L com 2n=67, 3m+64st/a e NF=70. Os dados moleculares, obtidos no presente estudo, suportam a hipótese de novas espécies, as quais podem estar envolvidas em um mecanismo de diferenciação de espécies decorrente de rearranjos cromossômicos tais como, translocação e/ou fusão e que, embora seja um polimorfismo extenso, a manutenção deste seja garantida pelos cruzamentos entre os indivíduos, com formação de gametas viáveis e que se perpetuam na população dado as características comportamentais sedentárias desta espécie.

Suporte financeiro: CAPES – PBC/UEM


Palavras-chave


Rineloricaria; Polimorfismo cromossômico; gene COI

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2017v38n1suplp165

Direitos autorais 2018 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367