Citótipos poliploides: estudo de caso em espécies brasileiras de Myrtaceae

Raquel Moura Machado, Raisa Maria Silveira, Itayguara Ribeiro da Costa, Christiano Franco Verola, Eliana Regina Forni-Martins

Resumo


Muitas espécies de plantas apresentam populações com ploidias diferentes (citótipos), diploide e poliploide, até com vários níveis poliploides. A diferenciação intraespecífica de números cromossômicos levanta perguntas sobre os citótipos poliploides: processos envolvidos na sua origem, natureza das interações/mecanismos de isolamento reprodutivo, além dos atributos morfofisiológicos e fatores ambientais/ecológicos relacionados à sua distribuição. A diferenciação de citótipos é uma etapa intermediária da evolução, favorecendo o processo de especiação. A família Myrtaceae é uma das mais ricas nos neotrópicos e tem taxonomia complexa. No Brasil, há pouco mais de 1000 espécies distribuídas em 23 gêneros. Citótipos poliploides são relatados em Psidium L. e Eugenia L. (x=11), dois dos gêneros mais diversificados da família. O presente estudo analisou a ocorrência e distribuição de citótipos em P. cattleianum Sabine e em algumas espécies de Eugenia. Os materiais para estudo cromossômico foram coletados em várias regiões brasileiras, ao longo da Mata Atlântica e Cerrado. Foram coletadas variáveis ambientais de cada população mediante técnicas de georreferenciamento, utilizando o programa DIVA-GIS. A distribuição das populações estudadas e a relação com o nível de ploidia foi analisada por componentes principais e elaborados mapas e gráficos com os programas Adobe Photoshop CC e Corel Draw. Psidium cattleianum possui dois morfotipos, com indivíduos produtores de frutos amarelos ou vermelhos. É uma espécie de tolerância ambiental e distribuição geográfica amplas, provavelmente decorrente da sua diversidade de citótipos (2n=3x=33, 2n=4x=44, 2n=5x=55, 2n=6x=66, 2n=7x=77, 2n=8x=88, 2n=9x=99, 2n=10x=110 e 2n=12x=132). Em Eugenia, algumas espécies apresentaram o citótipo diploide (2n=2x=22) e um poliploide (2n=3x=33, 2n=4x=44 ou 2n=5x=55), porém E. punicifolia (Kunth) DC. apresentou três (2x, 3x e 4x). Algumas populações possuem indivíduos com ploidia única, porém foram encontrados citótipos em simpatria em P. cattleianum (dois a cinco) e em espécies de Eugenia (2). Em P. cattleianum, os morfotipos amarelo e vermelho não podem ser distinguidos pelo nível de ploidia, porém o morfotipo vermelho ocorre preferencialmente em regiões de maior altitude. Nos dois gêneros, os poliploides ocorrem em condições ambientais mais drásticas. Estudos adicionais estão sendo conduzidos para detalhar melhor os cariótipos, a variabilidade genética (microssatélites) e o sistema reprodutivo dos citótipos de P. cattleianum. Apoio: CNPq, CAPES, FAEPEX/UNICAMP, FUNCAP

Palavras-chave


Citótipos poliploides; Evolução de plantas; Myrtaceae

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367