Determinação dos antipsicóticos prescritos no Hospital Municipal de Maringá

Fabio Bahls Machado, Cleverson Antonio Poças, Eliane Aparecida Campesatto Mella

Resumo


A classe terapêutica dos antipsicóticos faz parte dos medicamentos mais utilizados para o tratamento da esquizofrenia, e eles são divididos em típicos e atípicos. A esquizofrenia é causadora de um severo transtorno do funcionamento cerebral e leva à incapacitação ou desvio de personalidade do indivíduo, comprometendo seu lado profissional e suas relações interpessoais. O estudo realizado teve como objetivo quantificar a prescrição dos antipsicóticos típicos e atípicos no Hospital Municipal de Maringá “Dra Thelma Villanova Kasprowicz”, no ano de 2005. A busca de informações para embasamento teórico foi realizada por meio do banco de dados CAPES, Pubmed, Scielo e artigos obtidos do serviço COMUT, bem como livros textos. Pode-se observar que a classe dos antipsicóticos mais utilizada foi a dos típicos, no entanto, estes dados já eram esperados por se tratar de um Hospital público, no qual as considerações econômicas são um fator adicional para a escolha do medicamento. Outro fator importante sobre os medicamentos atípicos pesquisados, é que a risperidona, é o único padronizado na instituição; os outros só foram utilizados por meio de amostras grátis deixadas aos médicos pelos laboratórios farmacêuticos. A faixa etária mais acometida com o transtorno da psicose está entre 22 e 50 anos, com predominância do sexo feminino.


Palavras-chave


Esquizofrenia; Tratamento medicamentoso da Esquizofrenia; Antipsicóticos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2009v30n1p67

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367