Meduloblastoma: aspectos histológicos, moleculares e imunopatológicos

Victor Hugo Clebis, Karina Maturana Pinheiro, Andressa Busetti Martins, Danilo Koiti Matsuda Feltran, Raquel Mitie Harano, Patricia Midori Murobushi Ozawa, Carolina Batista Ariza, Gabriela Gonçalves de Oliveira, Maria Angelica Ehara Watanabe

Resumo


O meduloblastoma é um tumor cerebelar caracterizado como tumor neuroectodérmico primitivo prevalente em crianças, sendo as do sexo masculinos as mais afetadas. Com relação à classificação histológica, existem cinco variações: clássico, desmoplásico, anaplásico, células gigantes e de extensa nodularidade. Muitos estudos relatam que a patogênese do meduloblastoma está relacionada com mutações em fatores de crescimento do SNC, sendo que as principais vias envolvidas são: Sonic Hedgehog, NOTCH, WNT e OTX. Ainda, com respeito à imunologia, pacientes com meduloblastoma apresentaram alta taxa de IFN-y no soro e células TH17 no sangue periférico, e foi observado que o TGF-B tem sido associado à estimulação mitogênica, o que pode estar relacionado à patogênese da doença. A predominância de uma resposta TH1 relacionada à sobrevivência também foi relatada. O desenvolvimento terapêutico para o meduloblastoma, apesar de limitado, é significativo, uma vez que este vem apresentando melhora na sobrevida de seus pacientes. Entretanto, um maior conhecimento dos mecanismos envolvidos na imunopatogênese é necessário para o desenvolvimento de novos fármacos e formas de tratamento.

Palavras-chave


Tumor cerebelar; Vias de sinalização; Imunopatologia.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2015v36n1p117

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367