Gestação: Um desafio imunológico

Maria Angelica Ehara Watanabe, Ellen Cristine Duarte-Garcia, Giovana Gomes de Carvalho, Natália Kimie Matsubara, Ana Camila Vaitkevicius Ferreira, Nágela Ghabdan Zanluqui, Gabriela Gonçalves de Oliveira

Resumo


Diversos estudos demonstram a importância de aspectos imunológicos na gestação. Durante a gestação ocorre a implantação do embrião no útero materno, onde irá se desenvolver até o final da gravidez. Dentre os aspectos imunes, pode-se citar a importância da modulação dos linfócitos T, das células natural killers (NK) e das diversas citocinas existentes no organismo materno. A tolerância materna ao feto parece ser mediada por hormônios maternos específicos e pela expressão do antígeno leucocitário humano G (HLA-G) característico na gravidez. Outros estudos sugerem que a rejeição fetal e complicações durante a gravidez podem ocorrer devido à presença de antígenos de histocompatibilidade menor (mHAg), adquiridos pela mãe a partir do compartilhamento sanguíneo com o feto, e devido à presença de anticorpos maternos contra o espermatozoide e contra o feto. O objetivo desta revisão foi descrever os aspectos imunológicos que permitem a tolerância materna ao feto na gestação, assim como possíveis causas para a rejeição do embrião e complicações durante a gravidez.


Palavras-chave


Gestação. Imunologia. HLA-G. Anticorpos. Citocinas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0367.2014v35n2p147

Direitos autorais 2016 Semina: Ciências Biológicas e da Saúde

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semina: Ciênc. Biol. Saúde

email: seminabio@uel.br

Londrina - PR
ISSN Print: 1676-5435

EISSN: 1679-0367