Inulina e Oligofrutoses: Uma Revisão Sobre Propriedades Funcionais, Efeito Prebiótico e Importância na Indústria de Alimentos

Maria Celia de Oliveira Hauly, Janaína Andréa Moscatto

Resumo


Atualmente, os consumidores estão mais conscientes da relação que existe entre alimentação e saúde, de modo que, a indústria de alimentos tem procurado oferecer produtos que apresentem benefícios múltiplos, associados ao sabor e à aparência. Inulina e oligofrutoses são polímeros de frutose vastamente encontrados em plantas sob a forma de carboidratos de reserva, e apresentam propriedades funcionais de grande importância para a indústria de alimentos. Tanto inulina como oligofrutoses vêm sendo utilizadas para enriquecer com fibras produtos alimentares. Diferentemente de outras fibras, não têm sabores adicionais, podendo enriquecer os alimentos sem alterar muito a viscosidade, aparência e sabor das formulações. As propriedades nutricionais da inulina e oligofrutoses são similares, assim, a decisão de formular com inulina ou oligofrutoses se dá em função dos atributos desejados no produto final. A inulina é mais indicada quando se pretende obter produtos com menor teor de gordura (como sorvete, bolo e sopa), enquanto oligofrutoses são adequadas para iogurtes de baixa caloria, doçura e para mascarar o sabor residual de adoçantes de alta intensidade utilizados em preparações alimentares. Estudos têm indicado que inulina e oligofrutoses apresentam características de prebiótico, por serem indigeríveis e desenvolverem o efeito bifidogênico, melhorando a microbiota intestinal. Recomenda-se que inulina e oligofrutoses sejam utilizadas simultaneamente com probióticos em alimentos para obtenção do efeito simbiótico.


Palavras-chave


Inulina; Oligofrutoses; Fibra alimentar; Substituto de gordura; Efeito prebiótico e simbiótico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0375.2002v23n1p99

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Semin., Ciênc. Exatas Tecnol.

Londrina - PR

E-ISSN: 16790375

DOI: 10.5433/1679-0375

E-mail: seminaexatas@uel.br

 

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional