Avaliação de porta-enxertos de tomateiro e o uso da enxertia no controle da murcha bacteriana

Suane Coutinho Cardoso, Ana Cristina Fermino Soares, Alexsandro dos Santos Brito, Andiale Pinto dos Santos, Francisco Ferraz Laranjeira, Lea Araújo de Carvalho

Abstract


A suscetibilidade do tomateiro à murcha bacteriana (Ralstonia solanacearum) causa perdas que vão de 10 a 100 % na produção e uma das alternativas de controle que vem sendo utilizada é a enxertia com porta-enxerto resistente. Este trabalho teve o objetivo avaliar genótipos de tomateiro quanto à resistência a R. solanacearum e a enxertia como alternativa para o controle da murcha bacteriana do tomateiro na região do Recôncavo Baiano. Para avaliação da resistência a R. solanacearum, utilizaram-se quatro genótipos de tomateiro silvestres coletados em diferentes regiões da Bahia, a cv. Santa Clara como testemunha suscetível e o Hawaii 7996 (H7996) como testemunha resistente. Para a avaliação da enxertia no controle da murcha bacteriana do tomateiro, utilizou-se como porta-enxerto o H7996 e como enxerto as cultivares Santa Clara, Santa Cruz Kada e Débora Plus. Os dois experimentos foram avaliados em infectário de R. solanacearum, por um período de 65 dias, para a seleção de porta-enxertos e 45 dias para a avaliação da enxertia, observando-se o sintoma de murcha bacteriana. Apenas o H7996 pode ser recomendado como porta-enxerto resistente a R. solanacearum. Os demais genótipos apresentaram suscetibilidade ao patógeno. A enxertia com esse híbrido não apresentou incompatibilidade com as cultivares avaliadas e promoveu 100 % de controle da murcha bacteriana, em todos os tratamentos, sugerindo que essa técnica pode ser utilizada como método alternativo de controle da murcha bacteriana, permitindo a produção de cultivares comerciais de tomateiro, suscetíveis à doença, em áreas infestadas com R. solanacearum.


Keywords


Solanum lycopersicum; Ralstonia solanacearum; H7996.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2012v33n2p595

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional