Coronavirus canino (CCoV) em cães vacinados e não vacinados domiciliados em Pelotas, RS

Clarissa Caetano de Castro, Juciane Maria Johann, Paula Fonseca Finger, Cristina Freitas Nunes, Gilberto D'Avila Vargas, Geferson Fischer, Silvia de Oliveira Hübner

Abstract


Coronavírus canino (CCoV) foi relatado como causa de doença entérica principalmente em cães jovens. Nesse estudo, para investigar imunidade e exposição ao CCoV, foi estimado a frequência de anticorpos em 121 cães de Pelotas, sul do Brasil, pelo teste de soro-neutralização (SN): 22 não haviam sido vacinados, 69 haviam sido vacinados com pelo menos uma dose, e 30 possuíam histórico de vacinação desconhecido. Foram detectados anticorpos em 47,8% (33/69) dos cães vacinados, em 45,5% (10/22) dos não vacinados, e em 43,3% (13/30) dos cães com histórico de vacinação desconhecido. Não houve associação significativa entre os anticorpos e sexo, idade, habitação e estação da coleta. Os resultados confirmam a circulação do CCoV entre essa população de cães e indicam que a infecção acomete população significativa de animais. A grande proporção de cães vacinados soronegativos indica falha da vacina em indução de anticorpos neutralizantes, sugerindo que as imunizações para CCoV devam ser reavaliadas. Os autores por meio de seus dados indicam ainda a necessidade de posteriores estudos para avaliar o impacto da infecção causada pelo CCoV, bem como para avaliar e  propor mediadas preventivas.


Keywords


Coronavírus canino; Anticorpos; Vacina; Imunidade



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2010v31n4p995

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional