Qualidade física e sanitária de sementes de soja produzidas no estado de Santa Catarina

Volmir Frandoloso, Geri Eduardo Meneghello, César Iván Suárez Castellanos, Maria Angela André Tillmann, Cristiane Deuner

Abstract


A cultura da soja representa aproximadamente 43% da produção de grãos no Brasil, produzindo-se acima de 81 milhões de toneladas na safra 2012-2013. A utilização de sementes de alta qualidade é crucial para uma agricultura produtiva. Sabe-se que sementes com baixa qualidade comprometem a obtenção de um adequado estande de plantas, influindo diretamente na produtividade da lavoura, aumentando os custos de produção pela ressemeadura, ocasionando frequentemente a perda da época adequada e trazendo problemas que refletem diretamente na produtividade. A qualidade de sementes pode ser afetada pelo grau de umidade, danos mecânicos na colheita e no beneficiamento, danos térmicos na secagem, condições ambientais de armazenamento e incidência de insetos e fungos. O Estado de Santa Catarina possui condições climáticas favoráveis para a produção de sementes de soja e empresas que dispõem de tecnologia moderna para a produção de sementes. Portanto, objetivou-se no presente experimento, caracterizar a qualidade física e sanitária das sementes de soja produzidas por empresas, em diferentes regiões do estado de Santa Catarina (Xanxerê, Abelardo Luz, Campos Novos e Canoinhas). Avaliou-se a pureza física, o dano mecânico, o grau de umidade e a qualidade sanitária de sementes em três épocas (recepção na UBS, após o beneficiamento e antes da comercialização). Os resultados obtidos permitiram concluir que a incidência de danos mecânicos e a mistura varietal são os principais problemas nos lotes de sementes de soja e que as sementes de soja produzidas no Estado de Santa Catarina apresentam contaminação por patógenos, recomendando-se o tratamento de sementes.


Keywords


Beneficiamento; Colheita; Comercialização; Glycine max (L.) Merrill.

Full Text:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2015v36n4p2515

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional