Soroepidemiologia da Leishmania spp. em cães do Município de Telêmaco Borba, Paraná, Brasil

Caroline Constantino, Aline Kuhn Sbruzzi Pasquali, Eloiza Teles Caldart, Fernanda Pinto Ferreira, Elizabete Regina Marangoni Marana, Roberta Lemos Freire, Regina Mitsuka-Breganó, Carmen Lúcia Scortecci Hilst, Odilon Vidotto, Italmar Teodorico Navarro

Abstract


A leishmaniose é uma importante metazoonose causada por protozoários do gênero Leishmania, com ciclo de vida heteroxênico que envolve hospedeiros invertebrados e vertebrados. A transmissão ocorre durante o repasto sanguíneo do flebotomíneo infectado em animais domésticos e silvestres e no homem. O cão é caracterizado como reservatório do protozoário na leishmaniose visceral, já na leishmaniose tegumentar americana é um hospedeiro errático que, assim como o homem, se infecta acidentalmente. O cão ainda pode ser considerado um importante sinalizador da presença do protozoário e dos vetores no ambiente, assinalando assim a importância do diagnóstico nestes animais. Este trabalho teve como objetivo conhecer a soroepidemiologia da Leishmania spp. em cães do Município de Telêmaco Borba que participaram de um mutirão de castração. Foram coletadas amostras de sangue de 191 cães e aplicado um questionário epidemiológico a seus proprietários. A análise sorológica foi realizada pelas técnicas Imunofluorescência Indireta (IFI) e Imunocromatografia rápida (DPP®). A triagem realizada pela IFI revelou 13 (6,81%) animais reagentes, destes nenhum apresentou positividade no teste DPP®, específico para leishmaniose visceral. A análise estatística das variáveis presentes no questionário epidemiológico indicou associação significativa entre a sorologia positiva e presença de folhas amontoadas/compostagem no quintal (p=0,0498), áreas de mata (praças, bosques, parques) nos arredores da residência (p=0,0015) e lesões ulceradas e/ou nodulares de difícil cicatrização na pele de animais (p=0,0138). Este estudo revelou que há anticorpos IgG anti-Leishmania spp. em cães do Município de Telêmaco Borba, sugerindo a presença do protozoário e do vetor no ambiente, e que a existência de folhas amontoadas/compostagem no quintal, áreas de mata nos arredores da residência e lesões na pele de animais são fatores associados à infecção por Leishmania spp. nestes cães.


Keywords


Leishmaniose; Cães domiciliados; Epidemiologia; Imunofluorescência indireta; Teste de Imunocromatografia rápida; diagnóstico.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n6p3181

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional