Queratinização das papilas ruminais, glicogênio celular e composição química da carne de tourinhos alimentados com níveis de concentrado e farelo do mesocarpo do babaçu

Simone Santos Barros, Rossini Sôffa da Cruz, Lázaro Moreira de Melo Junior, Domenica Palomaris Mariano de Souza, Sandro Estevan Moron, Emerson Alexandrino, Regis Luis Missio, José Neuman Miranda Neiva, João Restle, Viviane Mayumi Maruo, Luciano Fernandes Sousa, Adriano Tony Ramos

Abstract


Objetivou-se avaliar a queratinização das papilas ruminais, o nível celular de glicogênio hepático e muscular, e a composição química da carne de tourinhos Nelore terminados em confinamento alimentados com níveis de concentrado e farelo do mesocarpo do babaçu. Foram utilizados 28 animais, com idade inicial de 21 meses e peso corporal inicial de 356,7±19 kg, distribuídos inteiramente ao acaso nos seguintes tratamentos: dois níveis de concentrado na dieta (65% e 71 %) associados ou não à inclusão de 35% de farelo do mesocarpo do babaçu. Fragmentos do fígado, músculo e rúmen foram obtidos após abate dos animais. Os níveis de concentrado e de farelo do mesocarpo do babaçu da dieta não alteraram as quantidades de glicogênio hepático e muscular, bem como não induziram a hiperqueratinização das papilas ruminais. A composição química da carne não foi alterada pelos fatores estudados. A inclusão de 35% de farelo do mesocarpo do babaçu em dietas com elevada proporção de concentrado não induz a hiperqueratinização das papilas ruminais, bem como não altera a quantidade de glicogênio muscular e hepático e, as características químicas da carne de tourinhos Nelore.


Keywords


Biodiesel; Bovino de corte; Fígado; Hiperqueratinização; Papila ruminal.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2015v36n3p1671

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional