Variabilidade entre animais na estimação da fração indegradável da fibra em amostras de forragens

Cláudia Batista Sampaio, Daiany Íris Gomes, José Gilson Louzada Regadas Filho, Edenio Detmann, Sebastião Campos Valadares Filho

Abstract


Objetivou-se avaliar a variabilidade entre animais em procedimento in situ em relação ao tempo crítico (tc) necessário para se estimar a fração indegradável da fibra. Foram utilizados cinco novilhos Nelore fistulados no rúmen para se estimar o perfil de degradação da fibra. Os animais foram alimentados com dieta padrão com relação volumoso: concentrado de 80:20. Foram avaliadas amostras de canade-açúcar, feno de capim-braquiária, silagem de milho e capim-elefante in natura. As amostras foram acondicionadas em sacos F57 Ankom® e incubadas no rúmem dos animais por: 0, 6, 12, 18, 24, 48, 72, 96, 120, 144, 168, 192, 216, 240 e 312 horas. Os perfis de degradação foram interpretados usando um modelo misto não linear com um efeito aleatório associado com a taxa fracional de degradação. Para cana, feno de braquiária e silagem de milho não foram verificadas variações significativas entre animais com relação à taxa de degradação da fibra em detergente neutro ou ácido. Isto significa que o tc para se estimar a fração indegradável não variou entre animais para estas forragens. Contudo, variação significativa entre animais foi encontrada para o capim-elefante. Estes resultados parecem sugerir que a variabilidade entre animais referente à taxa de degradação da fibra pode ser significativa.


Keywords


Degradação ruminal; Fibra indigestível; Indicadores internos.

Full Text:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2014v35n5p2739

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional