Estabilidade maracujá (Passiflora edullis f. flavicarpa) em pó oriundo do cultivo orgânico

Juliana Nascimento da Costa, Raimundo Wilane Figueiredo, Paulo Henrique Machado de Sousa, Maria Leonia da Costa Gonzaga, Patricia Beltrão Lessa Constant, Denise Josino Soares

Abstract


O maracujá é um fruto originário da América Tropical, sendo cultivado em países de climas tropical e subtropical, pertencente à família Passifloraceae, gênero Passiflora. Dentre os métodos de cultivo do maracujá, tem-se a produção pelo sistema orgânico, uma prática cada vez mais comum, visando aliar qualidade de produtos alimentícios com a preservação ambiental. Considerando as tendências atuais por alimentos nutritivos e de rápido preparo, o uso do maracujá sob a forma desidratada, consiste em uma interessante alternativa para a redução de perdas, agregar valor ao produto e proporcionar outras maneiras de consumo da fruta. Com base nessas informações, o objetivo do trabalho foi avaliar a estabilidade do pó de maracujá amarelo, proveniente de cultivo orgânico, obtido por spray drying, durante armazenamento por 360 dias, sob temperatura ambiente (25 ± 2°C). Os pós de maracujá foram avaliados a cada 30 dias, durante 360 dias de armazenamento, quanto aos seguintes parâmetros: químicos, físicoquímicos e microbiológicos. O pó de maracujá orgânico manteve-se praticamente estável durante os 360 dias de armazenamento, sob temperatura ambiente, oferecendo um grande potencial de utilização, por apresentar adequada retenção de ácido ascórbico 15,86 mg/100g, higroscopicidade desejada, 22,48 g de água absorvida/100 g; baixa atividade de água com teores médios de 0,46; pH ácido estável de 4,1, altos teores de cinzas, 4,7%; açúcares totais com valores médios de 36,93%; polifenóis extraíveis totais de 196,18 mg EAG/ 100 g de pó de maracujá e resultados microbiológicos satisfatórios com ausência de coliformes a 35° C e 45ºC, Salmonella sp/25g, mesófilos e contagem de Staphylococcus coagulase positiva, foram encontrados valores menores que 10 UFC/g.


Keywords


Maracujá; Atomização; Estabilidade; Cultivo orgânico.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2013v34n2p705

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional