Características de carcaça e da carne de diferentes categorias de bovinos alimentados com dietas contendo glicerina bruta

Jean Pacheco Leão, Jose Neuman Miranda Neiva, João Restle, Regis Luis Míssio, Pedro Veiga Rodrigues Paulino, Fabricia Rocha Chaves Miotto, Aline Evangelista Machado Santana, Luciano Fernandes Sousa, Emerson Alexandrino

Abstract


Objetivou-se avaliar as características de carcaça e carne de vacas de descarte e novilhos castrados mestiços de raças de aptidão leiteira alimentados em confinamento com diferentes níveis de glicerina bruta na dieta. Foram utilizados 24 animais, sendo 12 vacas de descarte com peso corporal inicial de 467 ± 15 kg e 12 novilhos com peso corporal inicial de 347 ± 17 kg. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado, com os tratamentos em arranjo fatorial 4x2 (quatro níveis de glicerina bruta e duas categorias animal). Os níveis de glicerina testados foram de 0, 60, 120 e 240 g/kg de matéria seca de dietas formuladas com 800 g de concentrado/kg de matéria seca. A inclusão de glicerina bruta na dieta não alterou o peso e o rendimento de carcaça, a espessura de gordura subcutânea e as características qualitativas da carne. Vacas apresentaram carcaças quentes mais pesadas (279,4 vs. 231,8 kg) e com maior espessura de gordura subcutânea (13,8 vs. 5,2 mm) que novilhos. A glicerina em quantidades de 0 e 120 g/kg de matéria seca da dieta proporcionou menor participação de músculos e maior de gordura na carcaça de vacas em relação à carcaça de novilhos. A carne das vacas apresentou coloração mais escura e maior grau de marmoreio que novilhos. Não houve diferença para a maciez e nas perdas totais de líquidos durante descongelamento e cocção da carne entre vacas e novilhos. A glicerina pode ser adicionada em até 240 g/kg de matéria seca da dieta de vacas de descarte e novilhos castrados mestiços de raças de aptidão leiteira, pois não diminui a qualidade da carcaça e da carne produzida.


Keywords


Biodiesel; Biocombustível; Maciez; Marmoreio; Subprodutos; Vacas.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2013v34n1p431

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional