Hyperadrenocorticismo hipófise dependente em um cão shi tzu tratado com trilostane oral a cada 12 horas: relato de caso

Lucas Alécio Gomes, Lívia Pesente de Lacerda

Abstract


Hiperadrenocorticismo (HAC) é uma doença relativamente comum em cães quando comparado aos gatos e pode ser definido como aumento persistente do cortisol na circulação sanguínea. Quanto ao tipo de manifestação o HAC hipófise-dependente ocorre em 80 a 85% dos casos, causando secreção excessiva de ACTH pela hipófise levando ao aumento bilateral das glândulas adrenais. Mais de 90% dos casos de HAC hipófise-dependente (em cães) ocorrem devido a tumores na glândula. O objetivo deste trabalho é relatar o caso de uma cadela da raça Shi Tzu, com sete anos de idade, que apresentou respiração ofegante, poliúria/polidipsia, polifagia, abdome pendular, alopecia bilateral simétrica e fraqueza intermitente em membros pélvicos. Os exames laboratoriais de rotina associados aos testes de triagem confirmaram a suspeita de hiperadrenocorticismo hipófise dependente. O tratamento desde o início tem sido com trilostane com trilostane, via oral, a cada 12 horas, e o teste de estimulação com ACTH foi realizado em intervalo não usual durante o período de monitoração inicial (a cada 30 dias). Neste caso, a dose inicial de trilostane não demonstrou melhora em relação às alterações cutâneas e houve necessidade de aumento na dosagem.


Keywords


Cão; Hiperadrenocortiscismo; Hiperadrenocorticismo canino; Trilostane.



DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2012v33n5p1937

Semina: Ciênc. Agrár.
Londrina - PR
E-ISSN 1679-0359
DOI: 10.5433/1679-0359
E-mail: semina.agrarias@uel.br
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional