Praças Públicas de Nova Luzitânia-SP e seus Elementos Topofílicos e Topofóbicos

Luiz Felipe Bedore Lima, Ana Paula do Nascimento Lamano Ferreira

Resumo


 

Nas cidades, a implantação e a manutenção de praças públicas arborizadas e de outras áreas verdes, como parques e jardins públicos, é um artifício utilizado para amenizar os problemas ambientais urbanos. É importante conhecer a percepção ambiental da população sobre esses locais, pois ela pode ser considerada uma arma para proteger o ambiente natural e uma ferramenta para reaproximar o homem da natureza, garantindo um futuro com mais qualidade de vida para todos. Com isso o objetivo deste trabalho foi entender a percepção ambiental dos moradores do entorno e/ou frequentadores das praças de Nova Luzitânia, levando em consideração como classificam as praças e quais elementos presentes desencadeiam sentimentos agradáveis ou de aversão. Foi entrevistado um total de 120 pessoas que, na maioria dos casos, demonstram sentimentos topofílicos e topofóbicos semelhantes ao descrever os locais, além de as considerarem como locais importantíssimos para o convívio social. Conclui-se que são necessárias adequações nas praças para extinguir a topofobia, o que pode ser feito por meio de uma elaboração de política séria de planejamento que vise o gerenciamento e a manutenção das praças públicas.



Palavras-chave


Praças Públicas; Percepção Ambiental; Planejamento Urbano.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2318-9223.2015v3n2p147

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


AS SUBMISSÕES PARA ESTE PERIÓDICO ESTÃO TEMPORARIAMENTE SUSPENSAS. DETALHES NA NOTA DO EDITOR: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ros/index

ISSN: 2318-9223


QUALIS-CAPES: B5 - ADMINISTRAÇÃO, CONTÁBEIS E TURISMO

Indicadores e diretórios: