Comparação da ansiedade e depressão, qualidade de vida e capacidade funcional ao exercício em pacientes com câncer de pulmão com e sem hipertensão arterial sistêmica

Mariana Araújo Braz Duailibe, Amanda Souza Araújo, Ingrid Correia Nogueira, Liduína de Araújo Honório, Guilherme Pinheiro Ferreira da Silva, Eanes Delgado Barros Pereira, Maria Tereza Pessoa Aguiar Morano, Rafael Mesquita

Resumo


Introdução: O câncer de pulmão representa um importante problema de saúde pública. A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) está entre as comorbidades mais frequentemente registradas em pacientes com câncer. Dessa forma, faz-se necessária uma investigação mais aprofundada a respeito do impacto dessa comorbidade sobre desfechos importantes em pacientes com câncer de pulmão. Objetivo: Comparar sintomas de ansiedade e depressão, qualidade de vida e capacidade funcional ao exercício entre pacientes com câncer de pulmão com e sem hipertensão arterial sistêmica. Métodos: Foram analisados 48 pacientes com câncer de pulmão (idade média de 60 ± 12 anos, 21 homens, 26 estadiamentos do câncer de pulmão Ia ou Ib). A hipertensão foi identificada com base em autorrelatos. Os sintomas de ansiedade e depressão foram avaliados com o Inventário de Beck, enquanto que a qualidade de vida foi avaliada com o questionário de qualidade de vida Medical Outcomes Short-Form 36 (SF-36) e a capacidade funcional ao exercício com o Teste de Caminhada de 6 Minutos (TC6M). Resultados: 21 pacientes (44%) relataram hipertensão. Esses pacientes apresentaram sintomas semelhantes de ansiedade (mediana (IQR), 6 (3-11) vs 7 (3-11) pontos, P=0,91) e depressão (média ± DP, 11 ± 8 vs 11 ± 8 pontos, P=0,94), em comparação com aqueles sem hipertensão, respectivamente. Semelhante qualidade de vida, também, foi encontrada entre pacientes com e sem hipertensão (P>0,05). Os pacientes com hipertensão apresentaram a menor distância no TC6M (média ± DP, 464 ± 90 vs 534 ± 102 m, P=0,02). Conclusão: Pacientes com câncer de pulmão e hipertensão arterial sistêmica apresentaram pior capacidade funcional ao exercício que aqueles sem hipertensão. A hipertensão nesses pacientes parece afetar os resultados do desempenho físico mais do que aspectos psicológicos.


Palavras-chave


Neoplasias Pulmonares; Hipertensão, Ansiedade; Depressão; Qualidade de Vida; Tolerância ao Exercício

Texto completo:

PDF


ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@uel.br

EISSN: 2177-9333