Complicações pulmonares após cirurgia de revascularização do miocárdio: fatores associados

Katerine Cristhine Cani, Kelly Cattelan Bonorino, Aline Almeida Gulart, Marina Palú, Manuela Karloh, Anamaria Fleig Mayer

Resumo


Introdução: A cirurgia cardíaca de revascularização do miocárdio (CRM) está associada a efeitos deletérios sobre a função pulmonar. Esses efeitos, podem estar relacionados a fatores inerentes ao ato cirúrgico, a internação hospitalar e à presença de comorbidades, que contribuem para o risco de complicações pulmonares pós-operatórias (CPPO).

Objetivo: Investigar quais fatores estão associados ás CPPO em pacientes submetidos a CRM.

Métodos: Trata-se de um estudo prospectivo observacional. A amostra foi composta por 48 pacientes submetidos à CRM, posteriormente divididos em: grupo complicações pulmonares (GCP) e grupo sem complicações pulmonares (GSCP). Os dados foram coletados por meio de entrevista e levantamento de dados dos prontuários. Na análise estatística, a normalidade das variáveis foi verificada com o teste de Shapiro-Wilk; o teste exato de Fisher foi aplicado para analisar a existência ou não de associação entre as CPPO e a presença de fatores relacionados; para comparação entre os grupos, utilizou-se o teste U de Mann Whitney.

Resultados: A amostra era predominantemente do sexo masculino (72,9%), com média de idade de 59,9 ± 11,1 anos. As CPPO foram identificadas em 64,6% dos pacientes, sendo a maioria de grau 1 (61,3%). A presença de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) foi o único fator que apresentou associação com às CPPO. O tempo de internação hospitalar/UTI foi maior no GCP (p<0,05).

Conclusão: A DPOC foi o único fator que apresentou associação com as complicações pulmonares, e o tempo de internação hospitalar nos pacientes que apresentaram complicações pulmonares foi maior em comparação aos pacientes que não apresentaram.

Palavras-chave


Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Texto completo:

PDF


ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@uel.br

EISSN: 2177-9333