Adesão ao tratamento farmacológico de pacientes com Insuficiência Cardíaca envolvidos em um programa de exercício físico supervisionado

Priscilla Koppe Alves, Costantino Ortiz Costantini, Costantino Roberto Costantini, Ana Carolina Brandt de Macedo, Rafael Michel de Macedo

Resumo


INTRODUÇÃO: A adesão ao tratamento medicamentoso de pacientes com insuficiência cardíaca (IC) melhora a evolução da doença e diminui internações frequentes. Nesta perspectiva, acredita-se que programas de exercícios físicos supervisionados, acompanhado por ações educacionais voltadas para mudanças no estilo de vida, podem contribuir para melhor adesão ao tratamento. OBJETIVO: Verificar a taxa de adesão à terapêutica farmacológica, através da escala de Morisky, aplicada ‘a pacientes portadores de Insuficiência Cardíaca envolvidos em um programa de exercício físico supervisionado. MÉTODOS: Estudo transversal realizado entre janeiro e dezembro de 2015 na Academia do Coração do Hospital Cardiológico Costantini, envolvendo pacientes portadores de IC sistólica com FEVE < 50%, com idade maior ou igual a 40 anos, devidamente matriculados na Academia do Coração e que apresentavam uma taxa de adesão as aulas maior ou igual a 75% mês. RESULTADOS:  Foram incluídos 25 pacientes com média de 68 anos, com desvio padrão de ±8,3 anos, sendo 64% do sexo masculino e 64% com média salarial de 3 salários mínimos. Quanto a adesão farmacológica, 52% dos pacientes tiveram boa adesão ao tratamento e 8% má adesão. Esta taxa não difere de outros estudos, nos quais aproximadamente metade dos pacientes tem boa adesão a terapia farmacológica. CONCLUSÃO: A aderência a um programa de exercício físico supervisionado não aumentou a taxa de adesão ao tratamento farmacológico.


Palavras-chave


: insuficiência cardiaca; aderência a terapia farmacológica; exercício físico supervisionado

Texto completo:

PDF


ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@uel.br

EISSN: 2177-9333