O peak flow expiratório em mulheres fumantes e não fumantes e suas medidas de confiabilidade

Jaqueline de Ávila Silva, Mayara Renata Fonseca, Marco Aurélio Veiga de Melo, Patricia Maria de Melo

Resumo


Introdução: Na avaliação da função pulmonar, medições de valores espirométricos permitem observar o volume expiratório forçado (PFE) através do equipamento Peak Flow. O tabagismo pode levar à diminuição do PFEpor causar alterações no calibre dos brônquios. Objetivo: Verificar a confiabilidade da medida do equipamento Peak Flow expiratório, e as diferenças entre a média ou o maior valor, dos 03 valores obtidos, com a aplicação do Peak Flow em indivíduos fumantes (GF), e em não fumantes (GNF). Métodos: O presente estudo contou com uma amostra de 60 mulheres, com idade entre 20 e 45 anos (28,53 ± 7,45 anos) dividida em dois grupos GF e GNF, as voluntárias realizaram exercícios de fluxo expiratório através do equipamento Peak Flow. Foram realizadas três visitas, que serviram para a explicação detalhada das finalidades, procedimentos do estudo, familiarização com o equipamento e a obtenção dos valores em questão. Resultados: Houve diferença significativa (P=0,009) entre os valores dos 2 grupos (257,3 ± 82,01 ml vs. 306,7 ± 60,0 ml). O índice de confiabilidade da medida do equipamento Peak flow foi para GF (R= 0,88), e para GNF (R= 0,86). Não houve diferença significativa na comparação entre a média dos 03 valores com o maior valor no GNF. Conclusão: Em indivíduos fumantes o PEFencontrou-se significativamente menor com relação aos não fumantes e, a confiabilidade da medida apresentou valores significativos em ambos os grupos. Para o valor de média ou maior valor de 03 medidas utilizadas, não houve diferenças significativas;  portanto, os pesquisadores, quando utilizarem o Peak flow, poderão optar pelo tipo do registro dos valores.


Palavras-chave


Espirometria; Tabagismo; Pico de Fluxo Expiratório

Texto completo:

PDF


ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@uel.br

EISSN: 2177-9333