Efeitos do método de reequilíbrio tóraco-abdominal e da técnica de vibrocompressão torácica na mecânica do sistema respiratório

Tatiane Pereira de Moraes, Isabela Nayara Evangelista Matilde, Liria Yuri Yamauchi

Resumo


Introdução: As técnicas de remoção de secreção são muito utilizadas em unidade de terapia intensiva (UTI) para promover a permeabilidade das vias aéreas e prevenir o acúmulo de secreções e suas complicações. Objetivos: comparar os efeitos de duas técnicas de remoção de secreção, a vibrocompressão (VBC) e o reequilíbrio tóraco-abdominal (RTA) sobre a mecânica do sistema respiratório e a saturação periférica de oxigênio. Método: O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética da Unifesp. Foram avaliados 19 pacientes com ventilação mecânica, internados em UTI, divididos em dois grupos. Um grupo recebeu o método RTA e o outro a VBC como técnica de remoção de secreção, conforme protocolos estabelecidos. Foram medidas: complacência estática (Cst), resistência das vias aéreas (RVA) e saturação periférica de oxigênio (SpO2) pré e pós-protocolos. O teste-T foi usado para comparar as médias. Resultados: Dos dez pacientes submetidos ao protocolo de VBC, metade apresentou redução da Cst após o protocolo, quatro apresentaram aumento e um não variou. Oito pacientes apresentaram redução da RVA após a VBC. A SpO2 não alterou pós-protocolo em sete casos. Dos nove casos de RTA, a Cst reduziu em cinco e quatro apresentaram aumento. A maioria (seis casos) apresentou redução da RVA, com aumento em um e dois não alteraram; a SpO2 não alterou de forma significativa após o RTA. Em média, a Cst reduziu 0,6% no RTA e aumentou 3,3% na VBC; a RVA reduziu 2,9% no RTA e 15,9% na VBC; a SpO2 alterou menos de 1% nos dois grupos, sem diferença significativa. Conclusão: Ambas as técnicas melhoram de forma geral a mecânica pulmonar e a oxigenação sem diferença estatisticamente significativa, podendo serem utilizadas de forma segura em pacientes com suporte ventilatório mecânico.


Palavras-chave


Mecânica respiratória; Ventilação mecânica; Fisioterapia

Texto completo:

PDF


ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@uel.br

EISSN: 2177-9333