Perfil clínico dos pacientes atendidos pelo serviço de fisioterapia na unidade de urgência e emergência de um hospital público de Minas Gerais

Ana Carolina Silva Gonçalves

Resumo


Introdução: O perfil de atendimento nas unidades de urgência e emergência vem se modificando, principalmente com a inclusão de uma equipe multidisciplinar, sendo a atuação do fisioterapeuta neste setor ainda recente na maioria dos hospitais brasileiros. Objetivo: Analisar o perfil clínico dos pacientes atendidos pelo serviço de Fisioterapia na urgência e emergência do Hospital Regional Doutor João Penido (Juiz de Fora - MG) e discutir a atuação desde profissional no setor. Métodos: Estudo observacional, retrospectivo com estatística descritiva. Como instrumento de coleta de dados utilizou-se o livro de registro dos pacientes atendidos pela Fisioterapia.  Avaliaram-se os registros de todos os pacientes atendidos desde a inserção de um fisioterapeuta no setor (período de outubro de 2013 a março de 2014). Resultados: Foram analisados 105 pacientes, sem predominância entre os gêneros feminino 51,43% (n=54) e masculino 48,57% (n=51). A idade média foi de 68 anos (±18,04). As hipóteses diagnósticas de maior incidência foram Sepse de foco pulmonar em 10,48% (n=11) e Acidente Vascular Encefálico isquêmico ou hemorrágico em 10,48% (n=11). Dos pacientes atendidos, 21,90% (n=23) traziam histórico de Acidente Vascular Encefálico prévio. Houve um número crescente de pacientes/mês atendidos pela Fisioterapia (mínimo de 14 e máximo de 31) e uma queda no tempo médio de estadia no setor, de 3,27 (±2,29) para 1,58 dias (±0,92). Os principais procedimentos realizados foram manejo da oxigenoterapia em 42,86% (n=45) e manipulação de ventilação mecânica invasiva em 41,90% (n=44). O destino principal foi a transferência para a Unidade de Terapia Intensiva do próprio hospital em 39% dos casos. Conclusão: O perfil clínico é constituído de idosos, sem predominância entre os gêneros. O fisioterapeuta atuou principalmente no manejo da oxigenoterapia e da ventilação mecânica invasiva, contribuindo para a redução do tempo médio de estadia no setor. Sugere-se continuidade e ampliação da assistência fisioterapêutica na urgência e emergência.


Palavras-chave


Modalidades de Fisioterapia, Serviços Médicos de Emergência, Unidades de Terapia Intensiva

Texto completo:

PDF


ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@uel.br

EISSN: 2177-9333