Análise comparativa entre dois métodos de monitorização do volume minuto em pacientes coronariopatas em um hospital de referência em cardiologia.

Julianna Falcão Silva, Diego Henrique Barreto da Silva, Gabriela Rodrigues de Albuquerque Coelho, Ana Georgia Lima de Souza, Juliana Meirinhos Miranda, Talita Miranda Silva, Noberto Fernandes da Silva, Clodoval de Barros Pereira Junior

Resumo


Introdução: As doenças cardiovasculares (DCV) são responsáveis pelos maiores índices de morbi-mortalidade no Brasil e no mundo. No tratamento das DCV, alguns pacientes necessitam permanecer em uma unidade coronariana (UCo), devido à necessidade de assistência ventilatória mecânica (AVM). A monitorização respiratória do paciente em AVM é fundamental para um tratamento adequado e pode ser realizada através dos índices de oxigenação e dos índices de ventilação. A pressão arterial de dióxido de carbono (PaCO2) associada ao volume minuto é a melhor forma de avaliar a ventilação alveolar pois, pode-se dizer que um paciente com PaCO2 elevada está hipoventilando e vice-versa. Logo, é preciso saber a veracidade desses valores quando fornecidos pelos ventiladores mecânicos. Objetivo: Comparar dois métodos de monitorização do volume minuto em pacientes adultos numa unidade coronariana. Método: Os pacientes incluídos na amostra foram submetidos à monitorização do volume minuto através do ventilômetro e do valor demonstrado pelo monitor do ventilador mecânico, e estes dados foram comparados. Resultados: O total de pacientes que concluíram o estudo foram 19 e, verificou-se que os valores do VM obtidos através do ventilômetro foram superiores aos obtidos através do monitor do ventilador mecânico. E que não houve concordância estatisticamente significante entre os dois métodos de monitorização. A sedação e o diâmetro da via aérea artificial não influenciaram nos valores do VM encontrados. Conclusões: Foi possível concluir que existe diferença estatisticamente significante entre os valores do VM obtidos através do monitor do ventilador mecânico quando comparados aos obtidos através da ventilômetro.

Palavras-chave


respiração artificial, ventilação pulmonar, unidade de terapia intensiva

Texto completo:

PDF


ASSOBRAFIR Ciência

Email: assobrafirciencia@uel.br

EISSN: 2177-9333