A Ilustração para a infância em Portugal nas duas primeiras décadas do século XX

Carla Maria Ramos

Resumo


Em Portugal, durante a I República (1910-1926), os políticos consideravam essencial a formação escolar das gerações mais novas, uma vez que seriam estas a dar continuidade ao espírito revolucionário. Nesta época surgiram novos escritores, jornais e coleções infantis e, ainda que a maioria dos livros fosse de caráter educativo, verifica-se um novo espírito na escrita para crianças. Era necessário substituir o dever de obediência pelo sentimento cívico e pela ideia de responsabilidade de cada cidadão no progresso do país. Daí a introdução de novos temas nos livros para crianças como a História e/ou a Geografia do país, de que são testemunhos as obras dos grandes autores da época como Ana de Castro Osório, Virgínia de Castro e Almeida, Aquilino Ribeiro, António Sérgio, Fernanda de Castro e Jaime Cortesão. Na ilustração destaque para alguns dos mais exímios artistas portugueses da época, como as irmãs Mamia Roque Gameiro e Raquel Roque Gameiro, Alonso, Leal da Câmara e Milly Possoz, Sarah Afonso, entre outros. A preocupação com a alfabetização, a ampliação da rede escolar e a criação de bibliotecas, fez com que, a pouco e pouco, a leitura passasse a tomar o seu devido lugar.

Palavras-chave


Ilustração para a infância; Ilustração para a infância em Portugal; Ilustração para a infância no início do século XX; O incentivo à leitura como política pública durante a I República portuguesa

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-2207.2019v10n1p105

Direitos autorais 2019 Projetica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Projética

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2236-2207

projetica@uel.br

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional