A tropicália de Rogério Duarte em "Caetano Veloso" e "Gilberto Gil" (1968)

Fernando dos Santos Almeida, Isabela Marques Fuchs, Rosane Kaminski

Resumo


Este artigo consiste na decodificação da visualidade tropicalista de Rogério Duarte em suas duas peças gráficas: a capa do álbum "Caetano Veloso" (1968) e "Gilberto Gil" (1968). Através da análise formal e simbólica dos impressos, as capas de disco serão descritas a partir de uma abordagem tríplice, na junção de sua dimensão formal, semântica e histórico-social. Trabalhando em questões relativas à resistência cultural no Brasil em uma época efervescente e polêmica de ditadura militar, se pretende refletir as questões referentes a tropicália e em como Rogério Duarte trabalhou com seus conceitos: a busca por uma identidade nacional, o esvaziamento cultural, a resistência e a experiência política junto às massas.

Palavras-chave


Design e Cultura; Design Brasileiro; História Brasileira; Tropicália

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2236-2207.2018v9n1p69

Direitos autorais 2018 Projetica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

 

Projética

Londrina/PR - Brasil
ISSN: 2236-2207

projetica@uel.br

 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional