Consciência de classe e partido operário: alguns apontamentos da análise de George Lukács e Rosa Luxemburgo

Gustavo Casasanta Firmino

Resumo


O artigo pretende debater a sempre polêmica questão que gira em torno do marxismo, no que concerne à formação política da consciência de classe. Será tal consciência fruto da posição que a classe trabalhadora possui dentro do quadro estrutural, de uma dada sociedade, em determinado modo de produção e tempo histórico; ou antes, a consciência de classe somente pode ser pensada, quando construída teoricamente e advinda "de fora" da classe operária, por uma vanguarda partidária portadora da teoria? No limite, a primeira posição foi, por muitas vezes, denominada "espontaneísta" em contraposição à segunda, por vezes identificada enquanto "vanguardista". Para avançar do ponto de vista teórico e histórico nessa discussão, procurando superar a forma dicotômica de abordagem do tema, estabelecemos um diálogo com algumas das leituras feitas por Rosa Luxemburgo (1871-1919) e George Lukács (1885-1970), duas grandes referências teórico-políticas acerca da discussão proposta.


Palavras-chave


George Lukács; Rosa Luxemburgo; Consciência de classe; Organização política.

Texto completo:

PDF

Referências


BOITO, Armando. A (difícil) formação da classe operária. In: BOITO, Armando; TOLEDO, Caio Navarro de (Org.). Marxismo e ciências humanas. São Paulo: Xamã, 2003. p. 239-248.

CARDOSO, Felipe Gava. Divisão do trabalho partidário: organização em Lenin. 2007. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - Unicamp, Campinas.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Uma revolução perdida: a história do socialismo soviético. 2. ed. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2002.

LOUREIRO, Izabel Maria. Rosa Luxemburg: os dilemas da ação revolucionária. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2004.

LOUREIRO, Izabel Maria. Democracia e socialismo em Rosa Luxemburgo. Crítica marxista, Campinas, n. 4, p. 45-57, 1997.

LUKÁCS, George. Rosa Luxemburgo como marxista. In:______ História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003a.

LUKÁCS, G. Notas críticas sobre a crítica da revolução russa, de Rosa Luxemburgo. In: LUKÁCS, George. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003b.

LUKÁCS, George. Observações metodológicas sobre a questão da organização. In: LUKÁCS, George. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003c.

LUKÁCS, George. Prefácio à edição de 1967. In: LUKÁCS, George. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003d.

LUXEMBURGO, Rosa. Greve de massas, partido e sindicatos. Coimbra: Centelha, 1974.

LUXEMBURGO, Rosa. A revolução russa. In: LUXEMBURGO, Rosa. A revolução russa. Petrópolis: Vozes, 1991a.

LUXEMBURGO, Rosa. O que quer a liga Spartakus? In: LUXEMBURGO, Rosa. A revolução russa. Petrópolis: Vozes, 1991b.

MARX, Karl. O 18 brumário de Luís Bonaparte. São Paulo: Abril Cultural, 1978. Coleção Os Pensadores.

PEREIRA, Duarte. Das classes à luta de classes. In: BOITO, Armando; TOLEDO, Caio Navarro de (Org.). Marxismo e ciências humanas. São Paulo: Xamã, 2003. p. 227-238.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2011v16n1p309

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International