Quando o apito não tocou: experiência operária e identidade de classe em um bairro operário em declínio (Barreto – Niterói)

Luciana Wollmann

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo analisar como se deu o processo de re-significação de identidades sociais – sobretudo a "de classe" por parte dos antigos trabalhadores da Companhia Fluminense de Tecidos, centenária fábrica localizada no bairro do Barreto na cidade de Niterói/RJ, a partir do final da década de 1970, quando a Companhia começa a dar os seus primeiros sinais de crise e o bairro inicia um gradativo processo de esvaziamento industrial. É nosso interesse aqui perceber como a diminuição dos postos de trabalho, combinada à desestruturação do antigo bairro operário e à ausência de melhores oportunidades no presente, contribuíram para um reforço da identidade operária deste grupo de trabalhadores e corroboraram para um exercício de re-elaboração de sua própria trajetória de trabalho dedicado à Companhia.


Palavras-chave


Cia. Fluminense de tecidos; Identidades; Trabalhadores.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? ensaios sobre as metamorfoses e centralidade do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 2005.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudeleire um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BIBLIOTECA ESTADUAL DE NITERÓI. Centenário da Independência do Brasil. Fotografias da Companhia Manufatora Fluminense. Álbum do Estado do Rio de Janeiro, Niteroi, 1922.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Éve. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1999.

BOURDIEU, Pierre. A juventude é apenas uma palavra. In: BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BOURDIEU, Pierre. Compreender. In: BOURDIEU, Pierre (Org.). A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Balanço de 31 de dezembro de 1912. Diário

Oficial da União, Brasília, 31 de dezembro 1912.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Primeira Assembléia Geral de 11 de abril de 1891. Diário Oficial da União, Brasília, 25 abril 1891.

CARNEIRO, Dionísio Dias; MODIANO, Eduardo. Ajuste externo e desequilíbrio interno. In: ABREU, Marcelo de Paiva. A ordem do progresso: cem anos de política econômica republicana: 1889-1989. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

CHAUÍ, Marilena. Conformismo e resistência: aspectos da cultura popular no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1989.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DPC&A, 1998.

INSTITUTO EUVALDO LODI. Análise da eficiência econômica e da

competitividade e da cadeia têxtil brasileira. Brasília: IEL, 2000.

LOPES, José Sergio Leite. A tecelagem dos conflitos de classe. São Paulo: Marco Zero, 1988.

MANNHEIM, Karl. O problema sociológico das gerações. In:______. Coleção grandes cientistas sociais. São Paulo: Ática, 1984.

MANUFATORA: Boletim interno, Niteroi, ano 2, n. 18, jan. 1950. Gravura “Rainha do Manufatora Futebol Clube”.

MANUFATORA: Boletim interno, Niteroi, ano 4, n. 32, maio/jun. 1951. Gravura campeonato da cidade: Quincas, Juca e Antonio.

MARX, Karl. A mercadoria. In: MARX, Karl. O capital: a crítica da economia política. São Paulo: Bertrand Brasil, 1987. v. 1.

MATTOS, José. Movimento paredista do Barreto. Diário do Povo, Niterói, ano 2, n. 226, jun. 1949.

MEHY, José Carlos Sebe Bom. Manual de história oral. São Paulo: Loyola, 1996.

NEGRO, Antonio Luigi. Zé Brasil foi ser peão: sobre dignidade do trabalhador não qualificado na fábrica automobilística. In: BATALHA, Cláudio H. M.; SILVA, Fernando Teixeira; FORTES, Alexandre (Org.). Culturas de classe: identidade e diversidade na formação do operariado. São Paulo: Unicamp, 2004.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

OPERÁRIOS param em protesto no Barreto. O Fluminense, Niterói, 20 out. 1988.

PORTELLI, Alessandro. O massacre de Civitella Val de Chiana. In: AMADO, J.; FERREIRA, Marieta de Moraes (Org.). Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

PORTELLI, Alessandro. Sonhos ucrônicos: memórias e possíveis mundos dos trabalhadores. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 41-58, dez. 1993.

SENNET, Richard. A corrosão do caráter. Rio de Janeiro: Record, 1999.

SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE FIAÇÃO E TECELAGEM DO RIO DE JANEIRO -SIFT – RJ. Carta da diretoria da Cia. Fluminense de Tecidos ao Sindicato das Indústrias de Fiação e Tecelagem do Rio de Janeiro. 3 fev.1981 e 3 fev. 1982. Pasta CFT F6 nº 70A VII. Rio de Janeiro, 1982.

THOMPSON, Edward P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. v. 1.

THOMPSON, Edward P. Costumes em comum. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2011v16n1p177

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International