Terrorismo, medo e recrudescimento do controle: traços da política punitiva no mundo contemporâneo

Debora Regina Pastana

Resumo


O tema central deste artigo é o investimento crescente no combate ao terrorismo pelas democracias contemporâneas, o que contribui para consolidar, ao menos no Ocidente, a figura do “Estado punitivo”. Inserido nas recentes reflexões sociológicas de Noam Chomsky, Loïc Wacquant, David Garland e Zygmunt Bauman, entre outros, esse tema é ainda pouco discutido pela comunidade acadêmica brasileira. O atual arranjo capitalista generaliza-se quase que instantaneamente em todo o globo atrelando, de forma paradoxal, a defesa dos ideais democráticos com a necessidade de políticas autoritárias de controle social. A defesa constante da “guerra contra o terrorismo”, agindo como elo hegemônico consensual, amplia a defasagem entre o formal e o real, bem como a utilização meramente simbólica dos instrumentos jurídicos de controle. Nesse contexto, marcado pela incessante busca da “tranqüilização da vida social”, o que se verifica é a consolidação de uma democracia sem cidadania, de um cidadão sem direitos.

Palavras-chave


Terrorismo, Democracia, Estado Punitivo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2011v16n2p89

Direitos autorais

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

ISSN: 1414-0543

EISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br


Creative Commons License

 

Todos os artigos científicos publicados em mediacoes@uel.br estão licenciados sob uma Licença Creative Commons