Os modos infinitos e finitos na ética de Benedictus Spinoza

Emanuel Angelo da Rocha Fragoso

Resumo


A teoria spinozista dos modos se reveste de uma particular dificuldade: o fato de Spinoza não a ter exposto com suficiente desenvolvimento para sua perfeita compreensão. Os modos na ÉTICA de Spinoza são definidos como afecções da substância. Esta caracterização os torna dependentes ontológicos dessa mesma substância, determinando-os como a sua contrapartida lógica: se a substância existe em si e é concebida por si, os modos são concebidos por aquilo em que existem e não por si próprios. As definições de substância e modo estabelecem uma relação de dependência ontológica, simétrica e oposta entre a substância e os modos.


Palavras-chave


Spinoza; Ética; Deus; Substância; Modos; Infinito; Finito.

Texto completo:

PDF

Referências


DELBOS, Victor. Le Spinozisme. 5. ed. Paris: J. Vrin, 1987. 215 p. (Bibliotéque D'Histoire de laPhi10sophie).

DELEUZE, Gilles. Espinosa e os Signos. Tradução por Abílio Ferreira. Porto: Rés, 1970.205 p. (Colecção Substância). Tradução de: Spinoza.

MOREAU, Joseph. Espinosa e o Espinosismo. Tradução por Lurdes Jacob e Jorge Ramalho. Lisboa: Edições 70, 1982. 110 p. (Biblioteca Básica de Filosofia, 20). Tradução de: Spinoza et le spinozisme.

SPINOZA, Benoit de. Espinosa. Seleção de textos de Marilena Chauí; traduções por Marilena Chauí et aI. 3. ed

SPINOZA, Benoit de. Éthique. Texto introdutório e tradução por

Charles Appuhn. Paris: J. Vrin, 1983.2 v. em 1. (Bibliotéque

des Textes Philosophiques). Tradução de: Ethica.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.1997v2n2p13

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International