Marketing político, democracia e capitalismo

Sidney Tanaka de Souza Matos

Resumo


O presente artigo pretende analisar a utilização do marketing político nos processos eleitorais atuais a partir das origens não apenas do marketing político per se, mas relacionando sua prática e o desenvolvimento da idéia de democracia no século XX, que aproximou o conceito de democracia ao de urna simples luta competitiva pelos votos da população o que abriu caminho para a aplicação das técnicas de marketing aos processos eleitorais e analisando os alvos das maiores críticas atuais, como a despolitização e a superficialização das campanhas como produtos lógicos deste desenvolvimento do pensamento democrático.


Palavras-chave


Democracia; Eleições; Marketing político.

Texto completo:

PDF

Referências


GRANDI, R. ; MARINS, A.; FALCÃO, E. (Org.). Voto é marketing: o resto é política. São Paulo: Edição Loyola, 1992.

HOBSBAWN, E. J. A era do capital. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo civil. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores).

MARKUN, P. Como perder as eleições (ou táticas e estratégias para evitar que isso aconteça). São Paulo: Feeling Editorial, [19-].

MILL, J. S. Governo representativo. São Paulo: brasa, 1964.

PATEMAN, C. Participação e teoria democrática. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. SCHUMPETER, J.A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Zahar, 1984. TAYLOR, F.W. Princípios de admillistração cient(tica. São Paulo : Atlas, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2002v7n2p87

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International