Jean Bodin: as premissas de um estado soberano

Sylvia Ewel Lenz

Resumo


Demonstramos como o jurista quinhentista Jean Bodin aplicou a sua prática política na concepção do Estado absoluto partindo de quatro premissas. Primeiro, ele definiu a estrutura social e política para culminar na formação estatal; a seguir, elencou os atributos do monarca tratando, então, de economia e finanças públicas para, finalmente, apresentar as formas de governo preferindo a monarquia.


Palavras-chave


Renascença tardia; Estado régio; Soberania; Absolutismo

Texto completo:

PDF

Referências


DENZER, H.; MAIER, H.; RAUSCH, H. Klassiker despolitischen Denkens - von P/ato bis Hobbes. München: C. H. Beck, 1968. p. 322.

MAQUIAVEL, N. O Principe. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976.

SKlNNER, Q. As funções do pensamento político moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. p. 139.

HADDOCK, B. A. Uma introdução ao pensamento histórico. Lisboa: Gradiva, 1989. p. 62.

DELUMEAU, J. A civilização do Renascimento. Lisboa: Estampa, 1984.

THOMAS, K. Religião e o declínio da magia. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

BAKER, K. M. Soberania. In: FURET, F. Dicionário crítico da Revolução Francesa. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 1989. p. 882.

LOPES, M.A. O político na modernidade. Moral e virtude nos espelhos de príncipes da Idade Clássica. São Paulo: Loyola, 1997.




DOI: http://dx.doi.org/10.5433/2176-6665.2004v9n1p119

Direitos autorais 2020 Mediações - Revista de Ciências Sociais

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

  

         

 

                       

 

 

Mediações - Revista de Ciências Sociais

Londrina - PR

E-ISSN: 2176-6665

Email: mediacoes@uel.br  

Mediações utiliza a licença Creative Commons Attribution 4.0 International